Brasil tem pelo menos 250 novas espécies ameaçadas de extinção

O Brasil ganhou pelo menos 250 novas espécies ameaçadas na última década. Os dados, ainda preliminares, são da lista da fauna em risco que o ICMBio (Instituto Chico Mendes) prepara para o fim de 2014.

A nova lista é a primeira avaliação global do estado de saúde dos animais brasileiros em uma década.

A anterior, publicada em 2004 pelo Ibama, indicava que 627 das cerca de 1.300 espécies avaliadas de anfíbios, répteis, peixes, aves, mamíferos e invertebrados estava sob algum grau de ameaça.

O status de ameaça de extinção é dado segundo categorias definidas pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza).

São elas “vulnerável”, “em perigo”, “criticamente em perigo”, “extinto na natureza” e “extinta”, de acordo com diversas medições do tamanho das populações e do grau de fragmentação dos habitats.

Uma instrução normativa publicada na última segunda-feira (3/4) no “Diário Oficial da União” determina uma mudança de estratégia na elaboração da próxima lista: a anterior, elaborada pela Fundação Biodiversitas para o Ibama, olhava apenas as chamadas espécies-candidatas, ou seja, as espécies de um mesmo gênero ou família com problemas em potencial.

“As listas eram encomendas à Biodiversitas com um prazo de desenvolvimento previamente estabelecido e nunca superior a 12-24 meses e com orçamento limitado”, diz Gláucia Drummond, superintendente da fundação. “Nessas condições, não era possível avaliar todas as espécies de um dado grupo.”

“Isso era tendencioso, porque a gente já sabe que vai ter vulnerabilidade”, disse à Folha Ugo Vercillo, coordenador de Espécies Ameaçadas do Instituto Chico Mendes.

Salto - A nova avaliação levará em conta todas as espécies de um determinado grupo, independentemente de suspeitas sobre seu grau de ameaça.

Isso fará com que o número de espécies avaliadas salte de 1.300 para 10 mil. Até agora só se avaliou 28% desse total. Daí a queda aparente na proporção de ameaçadas (de 50% para 15%).

Vercillo diz, porém, que o número real de animais em perigo aumenta a cada ano.

“O país não para de crescer, as áreas nativas continuam sendo alteradas”, afirma.

Um caso que o ICMBio considera preocupante é o dos tubarões. Das 169 espécies brasileiras, duas são consideradas “regionalmente extintas” e 60 estão sob ameaça.

Outro motivo de preocupação é o impacto do aumento da construção de hidrelétricas sobre os peixes.

“Existe [hoje] uma tendência ao aumento de espécies em perigo, tanto para peixes continentais quanto para marinhos”, diz Vercillo.

Por outro lado, há também espécies saindo de risco devido a programas de conservação. Até agora, segundo o coordenador do ICMBio, três que estavam ameaçadas em 2003 já deixaram a categoria.

Outras tiveram seu grau de ameaça reduzido, como a arara-azul-de-lear, caso citado por Drummond.

Segundo a bióloga, esforços de conservação no norte da Bahia, habitat da ave, aumentaram o número de indivíduos na natureza. “É provável que sua categoria seja reavaliada, passando de ‘criticamente em perigo’ para ‘em perigo’”, diz Drummond. Um alívio. Saiba mais em www.icmbio.gov.br (www.icmbio.gov.br). (Fonte: Claudio Angelo/ Folha.com)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,