Zoológico que gerou polêmica ao matar girafa sacrifica quatro leões

O zoológico de Copenhague, onde a morte do filhote de girafa Marius provocou uma polêmica em fevereiro, volta a ser notícia depois de matar quatro leões.

“Devido ao comportamento (…) natural dos leões, o zoológico precisou sacrificar dois leões idosos e dois filhotes que não eram suficientemente grandes para cuidar de si mesmos”, declarou nesta terça-feira (25) a instituição em um comunicado.

Os filhotes, de menos de dez meses, “teriam sido mortos pelo novo macho na primeira oportunidade”, acrescentou, referindo-se a um novo leão que foi incorporado à atração.

Eles foram sacrificados na segunda-feira (24) porque o zoológico não conseguiu encontrar outro local para eles, explicou um porta-voz à “France Presse”.

Diferentemente de Marius, desta vez a morte não ocorreu na presença do público porque “nem todos os nossos animais são dissecados” diante dos visitantes, acrescentou.

Em alguns dias, o novo macho será integrado às duas leoas nascidas em 2012, em idade de se reproduzir.
“O zoológico é conhecido mundialmente por seu trabalho com os leões e estou orgulhoso de que um deles esteja na origem de uma nova linhagem”, ressaltou o diretor Steffen Strade.

Ameaças de morte – No mês passado, o responsável pelo zoológico, Bengt Holst, recebeu ameaças de morte após a decisão de matar o filhote de girafa Marius, de 18 meses. O animal foi morto com uma pistola, depois dissecado e lançado aos leões sob os olhares das crianças presentes no local.

O caso provocou comoção entre milhares de defensores dos direitos dos animais em todo o mundo e inclusive circulou um pedido para salvar o bebê girafa.

O zoológico indicou em seu site que não havia outra solução a não ser impedir Marius de chegar à idade adulta, já que, em virtude das regras da Associação Europeia de Zoológicos e de Aquários (EAZA), é preciso evitar a consanguinidade entre girafas.

Na Dinamarca, uma esmagadora maioria dos internautas considerou que estas críticas internacionais eram apenas um sinal da hipocrisia e do politicamente correto.

Um especialista de ética sobre o tratamento dos animais denunciou inclusive a “Disneyficação” dos animais dos zoológicos. (Fonte: G1)