Música faz idosa com parkinson voltar a caminhar e dançar

A britânica Christine Reeve, 73 anos, sofre de parkinson há oito anos. Só recentemente, no entanto, ela descobriu que é capaz de andar e até dançar com naturalidade ao ouvir certos tipos de música – algo que ela achava que nunca mais seria capaz de fazer. A principal delas é “Tiger Feet”, do Mud, um clássico dos anos 70.

A descoberta ocorreu quando ela comentou com o fisioterapeuta que queria ouvir um pouco de música durante a atividade e ele lhe arranjou um I-Pod com músicas dançantes. Os especialistas ficaram surpresos com o progresso que a paciente apresentou com a música.

Ela começou com “Tiger Feet”, mas descobriu que outras músicas em ritmo de marcha produziam o mesmo efeito, como “Bad Moon Rising”, do Creedence Clearwater Revival, McNamara’s Band, de Bing Crosby. Segundo Christine, a batida faz com que ela tenha controle sobre seu corpo.

A fisioterapeuta Fiona Lindop, da equipe de parkinson do Derby’s London Road Community Hospital, ficou tão impressionada com os efeitos da música sobre a paciente que está tentando obter recursos para um estudo sobre o tema.

Depois de presenciar o caso de Christine, ela passou a testar o uso de música com outros pacientes e obteve diferentes resultados.

Já se sabia que o uso do metrônomo (aparelho que ajuda músicos a manter o ritmo durante o estudo) é útil para pacientes com Parkinson. Mas o estudo tentará comprovar que a música pode ser ainda mais eficaz, não só para melhorar os movimentos dos pacientes, mas também sintomas como insônia, dificuldade de engolir e demência.

O mal de Parkinson é uma doença neurológica incurável e os sintomas incluem tremores, rigidez e lentidão nos movimentos. Também pode causar fadiga, dor e depressão. (Fonte: UOL)