Regata ecológica recolhe 363 kg de lixo na Baía de Guanabara, no Rio

Mais de 200 pessoas, entre aspirantes da Escola Naval e estudantes universitários recolheram nesta quinta-feira (1º) 363 quilos de lixo da Baía de Guanabara, com destaque para a quantidade de garrafas PET. Eles participaram da Regata Ecológica da Escola Naval, que chegou neste ano à sua 15ª edição.

A competição, como em uma gincana, teve 20 embarcações divididas nas categorias cabinados, escaler e oceânicos, como parte das comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho. O evento foi antecipado devido à mudança no calendário acadêmico, por causa da Copa do Mundo, que começa no dia 12 de junho.

Para o comandante da Escola Naval, contra-almirante Marcelo Francisco Campos, o principal objetivo da regata é promover o contato dos jovens com o mar. “A mensagem da regata é promover o contato de estudantes com o mar, com a noção de desenvolver a mentalidade marítima, o conhecimento do mar, de respeitar o mar e, sobretudo, preservá-lo. É a 15ª edição da regata, que já virou tradição na Escola Naval.”

De acordo com ele, o lixo encontrado nas águas danifica as embarcações com frequência. “O lixo é uma constante, o ideal era que promovêssemos uma regata sem lixo, que fosse só uma regata, não para recolher lixo. Um simples plástico pode entrar no sistema de refrigeração de um motor e causar avarias graves. Uma sacola de plástico, um sofá – como já vimos -, uma cadeira de plástico que bata numa hélice causa um dano enorme, assim como a garrafa PET”, explicou.

Estudante de direito, Roberta Bastos participou do evento pela primeira vez, a convite de um amigo, e pretende vir outras vezes. “Eu vim neste ano para velejar e ver como é o trabalho. É uma experiência muito legal, é incrível, porque no dia a dia a gente não pode fazer esse tipo de coisa, e ainda ajuda o meio ambiente. Encontramos bastante coisa, muito pesadas inclusive; encontramos também muitos chinelos”, disse ela.

O aspirante Lucas Lima, que cursa o 4º ano da Escola Naval, participa da regata desde o 1º ano de estudo. Desta vez, ajudou na organização. Segundo ele, “é uma satisfação muito grande tentar limpar a Baía de Guanabara, porque é triste ver tanto lixo. Mais de 200 quilos de lixo são catados por ano nessa ação, a gente tenta fazer a nossa parte”.

A 1ª Regata Ecológica da Escola Naval ocorreu em 1998. A divulgação é feita pelos aspirantes nas universidades, com preferência para cursos ligados ao meio ambiente, como biologia e biologia marinha, mas qualquer estudante universitário pode participar. (Fonte: Agência Brasil)