Cientistas britânicos elaboram a fórmula da felicidade

Cientistas britânicos elaboraram uma equação que dizem ser capaz de prever a felicidade, ainda que momentânea. A fórmula de pesquisadores da universidade College London (UCL) leva em conta expectativas sobre o futuro e conquistas do passado.

Em seu trabalho, publicado na revista científica PNAS, eles dizem que ela poderia ser usada para analisar distúrbios de comportamento e felicidade coletivos.

Foram realizados testes com 26 pessoas. Elas podiam escolher entre recompensas garantidas ou variáveis de acordo com o risco envolvido em cada atividade.

Ao final, registravam os seus níveis de felicidade.

Tomografias revelaram que a felicidade estava relacionada a atividade nas áreas do cérebro ligadas à produção de dopaminas, substâncias que induzem bem-estar.

‘Boas decisões’ – Estes resultados foram então adaptados a uma app de celular usada por 18 mil pessoas.

“O cérebro tenta descobrir o que você tem que fazer para obter recompensas, de forma que todas as decisões, expectativas e resultados se tornam informações que serão usadas para garantir a tomada de boas decisões no futuro”, afirmou Robb Rutledge, da UCL.

“Todas as expectativas e recompensas recentes se combinam para determinar o seu estado de felicidade atual.”

Os pesquisadores dizem que tudo depende da diferença entre as expectativas e os resultados. Quanto maior e mais positiva for essa diferença, mais felizes nos sentiremos.

Um exemplo seria ir ao restaurante sem grandes expectativas sobre a comida. Desta forma, se a comida for melhor do que o esperado, a experiência como um todo é mais feliz.

Por outro lado, expectativas positivas antes da refeição podem garantir momentos de felicidade por antecipação.

A equação foi usada na app The Great Brain Experiment (o grande experimento cerebral), na qual o usuário é convidado a jogar um jogo em que o resultado varia de acordo com os riscos assumidos.

O programa foi considerado confiável para o estudo do comportamento cognitivo.

Os pesquisadores admitem que o estudo apresenta uma realidade muito mais simplificada do que a vida real, mas o professor Rutledge afirma que as pessoas também costumam correr riscos para ganhar recompensas maiores.

“Estamos satisfeitos com o fato de que a nossa equação explica a felicidade satisfatoriamente. Mesmo com tantos participantes, a relação entre recompensas, expectativas e felicidade é surpreendentemente consistente.” (Fonte: Terra)