Polo gesseiro busca energia limpa

Terminou, nesta quinta-feira (14), o Simpósio “Polo Gesseiro do Araripe: Potencialidades, Problemas e Soluções”, na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). O evento reuniu representantes do governo, do setor produtivo e da sociedade civil organizada, com o objetivo de debater e buscar meios de sustentabilidade na produção do gesso.

Em foco, um dos principais causadores da desertificação no Brasil: o uso da lenha, que ainda é matriz energética da produção do gesso sem planejamento ou critérios de sustentabilidade. “Buscamos realizar diagnósticos nas indústrias e sobre o potencial das florestas. Esses estudos determinam as alternativas que serão trabalhadas em duas frentes: a melhoria tecnológica nos processos de produção para mais eficiência no uso da lenha e um planejamento ambiental para promoção do manejo florestal sustentável da vegetação nativa”, destacou o diretor de Combate à Desertificação do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e secretário executivo da Comissão Nacional de Desertificação, Francisco Carneiro Barreto Campello, que também coordenou o debate sobre fontes alternativas de energia no polo gesseiro.

O MMA atua na área por meio do Fundo Clima e do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), em parceria com o Fundo Socioambiental da CAIXA, a Fundação Araripe e o Ministério Publico Federal. (Fonte: MMA)