Traje espacial para cães do período soviético vai a leilão em Berlim

Um traje espacial de 1950 para cães será leiloado em Berlim (Alemanha) no dia 13 de setembro. O lance inicial é de cerca de R$ 12 mil e espera-se que o traje possa ser arrematado por até R$ 23,5 mil.

A roupa vem com um tubo de suprimento de oxigênio, feito de uma combinação de algodão, nylon, alumínio e borracha.

O catálogo do leilão diz que “o traje espacial pode ser ajustado para o tamanho do cão no corpo e pernas através das cordas”. Existe também um anel na parte da frente para a inserção do capacete.

A vestimenta foi feita pela RSC Energia, a maior fabricante russa de componentes de naves espaciais e estações espaciais.

A roupa foi marcada com as inscrições “T-1, 1” e “I / X-61 “, levando especialistas a acreditar que tenha sido usada pelos cães Belka e Strelka, durante sessões de formação para missão Korabl-Sputnik 2 (Sputnik 5) da URSS, no final da década de 1950, início de 1960.

Apenas um pequeno número de roupas para cães ainda são encontradas em bom estado.

Animais espaciais – Os EUA usaram chimpanzés para estudar os efeitos da gravidade, enquanto a Rússia selecionou cães, porque eles podem ser facilmente treinados para sentar-se por longos períodos de tempo.

Os cães desempenharam um papel fundamental na preparação para a utilização de cosmonautas humanos. Ternos de alta pressão foram desenvolvidos para os animais na década de 1950 para testar os efeitos de alta velocidade.

Alguns cães foram amarrados dentro de pequenas cápsulas que foram lançadas a alturas de 80 km, antes de retornar à Terra de paraquedas.

A cadela Laika foi o primeiro animal a orbitar a Terra em 1957, mas morreu de estresse e superaquecimento durante a missão.

No entanto, Belka e Strelka retornaram com segurança da missão, em 1960, depois de passar um dia no espaço.

Eles foram acompanhados por um coelho cinza, 42 camundongos, dois ratos, moscas e uma seleção de plantas e fungos. Todos sobreviveram. (Fonte: UOL)