Incêndio atinge reserva ecológica do Jardim Botânico de Brasília

Um incêndio de grande proporção atingiu nesta quinta-feira (18) a reserva ecológica do Jardim Botânico de Brasília. Segundo o Corpo de Bombeiro, pode ser o maior incêndio do ano e ainda não se sabe o tamanho da área atingida. Segundo o subtenente do Corpo de Bombeiro, Ezequiel Ferreira Ribeiro, eles se encontram no local desde a manhã de quinta-feira.

“Chegamos ao local por volta das 10h30, que foi quando começou o fogo. A gente ainda não sabe em relação ao combate, de onde veio [o incêndio], mas uma boa parte, 60% foi combatida”. No momento cerca de 100 homens, dois helicópteros e uma aeronave do Corpo de Bombeiro estão trabalhando no local do fogo.

A reserva ecológica do Jardim Botânico de Brasília, localizada no Setor de Mansões Dom Bosco, no Lago Sul, tem 4.500 hectares (um hectare corresponde aproximadamente à área de um campo de futebol oficial) de reserva ecológica. A área é destinada a pesquisas e à preservação do Cerrado. A reserva abriga mananciais que abastecem 25% de toda a região do Lago Sul, incluindo o Lago Paranoá, além de animais como macacos, lagartos, cobras, tamanduás e aves, entre outros.

A área atingida pelo incêndio fica a poucos quilômetros do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek. Segundo o Corpo de Bombeiro mesmo com o grande volume de fumaça no local, o fogo não oferece nenhum risco para o pouso ou decolagem dos aviões. O incêndio ficou muito próximo às residências entre as quadras QI 17 e QI 19, o que assustou os moradores do local.

Tainá Nóbrega 34 anos mora na região, é mãe de cinco crianças e foi uma das moradoras que ligou para o Corpo de Bombeiros. “Estava entrando uma fumaça dentro de casa e, de repente, quando eu vi o fogo já estava do lado da casa do meu vizinho. Eu desesperei porque estava um fogo alto passando por cima do muro, queimando o muro e o telhado do meu vizinho. Peguei as crianças, liguei para a polícia, para os bombeiros, peguei as crianças e levei para a casa da minha mãe. Voltei, peguei as coisas que eu poderia salvar”. (Fonte: Agência Brasil)