Casos de ebola chegam a quase 9 mil e atingem sete países, diz OMS

A Organização Munidal da Saúde, OMS, divulgou nesta quarta-feira (15) novo balanço de casos de ebola no mundo. Segundo a agência das Nações Unidas, foram confirmados 8.997 contaminações pelo vírus em sete países e 4.493 mortes.

A maior parte dos casos de contágio ocorreram em Guiné, Libéria e Serra Leoa, na África Ocidental. Nigéria, Senegal, Espanha e Estados Unidos também tiveram notificações. Os números referem-se ao dia 12 de outubro.

A Libéria continua sendo o país com maior número de ocorrências, seguido de Serra Leoa e Guiné.

O relatório não contabiliza o segundo caso de ebola autóctone dos EUA, que foi divulgado nesta quarta pelas autoridades do Texas. Uma segunda enfermeira, que cuidou do paciente liberiano Thomas Eric Duncan, morto há uma semana, contraiu a doença e está internada em Dallas.

A funcionária do hospital Texas Health Presbyterian, Amber Joy Vinson, deve ser transferida ainda nesta quarta para Atlanta. Ela deve ficar em observação no hospital universitário Emory.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) fizeram, também nesta quarta, uma convocação para que todos os 132 passageiros de um voo entre Cleveland e Dallas entrem em contato com um número de atendimento, pois Amber estava naquele voo. Ela ainda não apresentava sintomas do ebola naquele dia, segundo as autoridades.

“Funcionários de saúde entrevistaram os pacientes mais recentes do funcionário para identificar rapidamente qualquer contato ou potencial exposição, e essas pessoas serão monitoradas”, disse o Departamento de Serviços de Saúde Pública.

Os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) informaram que o exame positivo dessa segunda trabalhadora foi o resultado de uma análise preliminar realizada durante a noite e que o organismo está realizando a própria análise para confirmar o resultado.

A mãe de Amber viajou para Dallas para ficar perto da filha, que está em uma unidade de isolamento do hospital Texas Health Presbyterian, onde ela trabalhava. (Fonte: G1)