Número de mortes por ebola chega a 4.960, segundo OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou nesta sexta-feira (7) um novo balanço da epidemia do vírus ebola, que já causou 4.960 mortes em oito países, de um total de 13.268 casos registrados até 4 de novembro.

O último balanço, publicado em 5 de novembro, falava de 13.268 casos e 4.818 mortes.

A epidemia de ebola, a mais grave desde que o vírus foi identificado, em 1976, surgiu na Guiné, no fim de dezembro de 2013. Desde então, a Libéria registrou 6.619 casos e 2.766 mortos.

Em Serra Leoa, a OMS contabiliza 1.130 mortos entre 4.862 casos declarados (a cifra anterior era de 5.338 casos).

Na Guiné, foram registrados 1.760 casos e 1.054 mortos.

O balanço na Nigéria e no Senegal se manteve inalterado após 42 dias, sendo que 20 casos (dos quais oito foram fatais) foram registrados na Nigéria, e um no Senegal: um estudante guineano, que teve a cura anunciada pelas autoridades em 10 de setembro. Esses dois países foram retirados da lista de nações castigadas pela epidemia.

Uma menina de dois anos, vinda da Guiné, faleceu no Mali, após ser infectada pela doença.

Fora da África – Nos Estados Unidos, dois funcionários sanitários foram infectados em um hospital do Texas, onde um paciente liberiano, que retornava de viagem ao seu país, morreu de complicações provocadas pela doença. No total, 4 casos foram registrados nos Estados Unidos.

A Espanha teve um caso de infecção: uma auxiliar de enfermagem que cuidou de dois missionários contaminados e repatriados a Madri, onde faleceram em agosto e em setembro. Ela foi declarada curada e recebeu alta.

Os funcionários de Saúde são particularmente afetados pela epidemia, com 310 mortes e 546 infecções em todos os países.

A doença, também conhecida como febre hemorrágica do vírus ebola, tem uma taxa de mortalidade de cerca de 70%, segundo estudo da OMS.

A infecção se dá por contato direto com fluidos corporais, sangue, líquidos biológicos e secreções. O período de incubação varia entre 2 e 21 dias. O paciente se torna infectante a partir do momento em que aparecem os sintomas. O mesmo não acontece durante o período de incubação.

Segundo a OMS, é possível afirmar que não há mais transmissão do vírus em um país 42 dias após o último caso registrado.

Uma epidemia de ebola também afetou uma região remota do noroeste da República Democrática do Congo (RDC). Este vírus é de uma cepa diferente daquela que castiga o oeste da África.

Essa segunda epidemia, aparentemente sob controle, matou 49 pessoas do total de 66 casos reportados desde o seu aparecimento, em 11 de agosto, de acordo com balanço datado de 20 de outubro. (Fonte: G1)