Mortos por ebola se aproximam dos 7.000 na África Ocidental

Cerca de 7.000 pessoas morreram vítimas do ebola na África Ocidental, segundo os últimos números anunciados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que superam em mais de 1.200 o balanço anterior divulgado na última quarta-feira.

Segundo os dados da OMS até a noite de sexta-feira, o número de infectados com ebola é de 16.169, e 6.928 deles morreram nos três países mais afetados: Serra Leoa, Guiné e Libéria.

Este novo balanço provavelmente inclui casos que não haviam sido informados anteriormente.

Na quarta-feira havia sido divulgado um balanço de 5.674 mortos nos três países, com 15 mortos adicionais em outros países. A OMS não explicou o súbito aumento dos mortos, especialmente na Libéria, mas o novo balanço inclui casos não reportados anteriormente.

Devido à dificuldade para recolher dados e levando-se em conta o nível de mortalidade desta epidemia, calculada em 70%, a agência havia indicado antes que havia mais mortos do que os registrados.

O número de mortos por ebola cresceu consideravelmente na Libéria, embora os observadores tenham indicado que o avanço do vírus neste país diminuiu nas últimas semanas.

No entanto, a Libéria é o país com mais novos mortos, agora com 4.181 mortes de um total de 7.244 casos. Na última quarta-feira o balanço era de 3.016 mortos de um total de 7.168 casos.

Serra Leoa, onde segundo a OMS o vírus experimenta um rápido avanço em várias partes do país, tem agora um balanço de 1.461 mortos de um total de 6.802 casos, enquanto no dia 26 de novembro tinha 1.398 mortos de um total de 6.599 casos.

Guiné, onde a epidemia começou há quase um ano, registra agora 1.284 mortos de um total de 2.123 casos. Dois dias antes eram 1.260 mortos e 2.134 casos.

A OMS não forneceu uma atualização dos dados de outros países afetados.

Na atualização anterior, a instituição havia informado que o Mali, o país mais afetado recentemente pelo vírus do ebola na região, registra oito casos confirmados, seis dos quais morreram.

A Nigéria, com sete mortes por ebola, e o Senegal, que tem apenas um caso, não registram novos casos há 57 dias. Os dois países foram declarados sem ebola.

Foram registrados quatro casos de ebola nos Estados Unidos, um deles fatal.

Também houve um caso confirmado na Espanha, uma enfermeira que se recuperou.

O ebola, considerado o mais mortífero dos vírus conhecidos, é transmitido por contato com fluidos corporais de uma pessoa infectada que tenha sintomas como febre e vômitos.

Os trabalhadores da saúde são os mais expostos, com um balanço de 340 mortos de um total de 592 casos. (Fonte: G1)