Barriga de aluguel pode salvar espécie de rinoceronte em risco de extinção

O plano dos ambientalistas para salvar o rinoceronte-branco-do-norte era ambicioso: transportar por avião quatro rinocerontes da espécie em extremo perigo de extinção a partir de um zoológico na República Tcheca até a África Ocidental, levá-los até a savana do Monte Quênia e esperar que o habitat natural os ajudasse a se reproduzir, o que impediria a extinção completa da espécie.

Os cuidadores de três rinocerontes-brancos-do-norte no Quênia – que representam metade dos rinocerontes dessa espécie em todo o mundo – começaram a anunciar publicamente pela primeira vez que o macho e as duas fêmeas não conseguirão se reproduzir naturalmente.

A ciência, no entanto, ainda oferece uma ponta de esperança. A partir de agora, esforços começarão a ser feitos para que a espécie sobreviva por meio de fertilização in vitro.

“Sempre soubemos desde o começo que as chances disso funcionar seriam muito pequenas, mesmo se eles copulassem”, disse Richard Vigne, chefe-executivo da organização Ol Pejeta Conservancy, onde os rinocerontes têm vivido desde dezembro de 2009.

‘Última chance de sobreviver’ – A organização declarou, nesta quarta-feira (10), que as técnicas de reprodução artificial “poderiam dar a última chance de sobrevivência para o mamífero mais ameaçado do mundo”. A frase parece aquela que foi gravada nas caixas onde os rinocerontes foram transportados de Nairobi para a Ol Pejeta: “Última chance de sobreviver”.

Apesar de tudo, Vigne afirma que o projeto não foi em vão. “Eles foram trazidos de volta à África a partir de um zoológico e viveram bem neste ambiente. Deste modo, foi um sucesso”, disse. “O fato de que eles não procriaram é claramente uma enorme decepção, mas há novas tecnologias sendo criadas o tempo todo para resgatar espécies tecnicamente extintas.”

Um dos dois machos transferidos para a Ol Pejeta morreu de uma causa desconhecida no começo deste ano. Veterinários que examinaram os três animais remanescentes no mês passado determinaram que a contagem de espermatozoides do macho é muito baixa e que as duas fêmeas ou não podem engravidar ou não conseguem manter a gravidez até o fim.

O experimento de fertilização in vitro pode ser feito com a ajuda de uma fêmea de rinoceronte-branco-do-sul, que serviria como “barriga de aluguel”, recebendo em seu útero um embrião da espécie ameaçada.
A organização Ol Pejeta cuida de 104 rinocerontes pretos e 26 brancos. Por causa do aumento da demanda por chifre de rinocerontes no Vietnã – fenômeno que resultou em mais de 3 mil rinocerontes mortos na África do Sul desde 2010 – os animais devem ser muito bem vigiados.

O rinoceronte-branco-do-norte é uma das grandes espécies de mamífero que “provavelmente ou potencialmente” vão se tornar extintos nos próximos anos. (Fonte: G1)