Ladrões de cachorros despertam ira de moradores de regiões rurais do Vietnã

Dezenas de sequestradores de cachorros sofreram nos últimos anos em regiões rurais do Vietnã a ira de pessoas enfurecidas, que não pensaram duas vezes antes de linchar, às vezes até a morte, ladrões de animais de estimação.

Um dos últimos casos aconteceu no dia 2 de janeiro, na província de Quang Ninh, no nordeste do país, quando Tran Van Kha, um homem de 35 anos, foi espancado até a morte, e seu parceiro gravemente ferido, por um grupo de moradores.

Segundo o jornal “Thanh Nien”, o ato de violência começou quando vários moradores da cidade de Trieu Vu flagraram Kha e seu parceiro roubando um cachorro em uma casa.

Dezenas de vizinhos, fartos com a frequência de incidentes similares e criminosos praticamente impunes, perseguiram os ladrões, que tentaram fugir em motos. O grupo de moradores queimou os veículos e amarrou, espancou e chutou os criminosos até a chegada da polícia local.

Os agentes afirmaram que identificar os assassinos dos sequestradores será uma tarefa quase impossível, já que “quase todos na cidade dizem ter agredido” os ladrões.

Outros dois casos semelhantes ocorreram em dezembro de 2014 nas províncias de Than Hoa e Ninh Binh, também no norte do país.

Em Than Hoa, os moradores irritados mataram a pancadas dois sequestradores de cães e deixaram outros dois gravemente feridos. Em Ninh Binh, a polícia chegou a tempo de evitar a morte por linchamento de outros dois ladrões.

Os roubos de cachorros são frequentes no Vietnã devido à popularidade da carne do animal, considerada por muitos vietnamitas uma verdadeira delícia, mas muitos possuem cachorros como animais de estimação tanto em regiões rurais como urbanas.

O último preso por este tipo de crime é Nguyen Van Tien, um ex-militar de 23 anos que em 21 de janeiro matou um homem de 56 anos com a filha de 18 anos após uma tentativa fracassada de capturar o cachorro da família.

Segundo a Aliança Asiática de Proteção Canina, cerca de cinco milhões de cachorros são mortos no Vietnã anualmente para o consumo.

Os cães são vendidos aos restaurantes a um preço aproximado de US$ 6 (R$ 16) por quilo, um valor muito baixo para que as autoridades considerem os roubos como um crime grave.

Dois ladrões presos recentemente em Ho Chi Minh (antiga Saigon) confessaram à polícia que costumavam sequestrar quase uma dezena de cachorros por noite e os vendiam a restaurantes ou matadouros por cerca de US$ 40 (R$ 107) cada.

Segundo vários testemunhos, os ladrões costumam andar equipados com pistolas elétricas caseiras que conectam à bateria de suas motos para atirar no cachorro ou em seus defensores, se preciso.

“Eles andam armados e são perigosos”, afirmou ao “Than Nien” Phan Van Triet, policial em Ho Chi Minh.

Um dos casos mais famosos aconteceu em 2012, na província de Quang Tri, no centro do país, onde dois ladrões morreram vítimas de um linchamento.

Em março de 2014, quando um tribunal condenou à prisão dez espancadores, outras 68 pessoas também se disseram culpadas para tentar salvar os vizinhos de uma punição que consideravam injusta. A imprensa local relatou que moradores de até 80 anos de idade admitiram ter participado do linchamento.

A falta de iniciativa das autoridades aumentou a sensação de impunidade dos roubos, que frequentemente terminam com uma multa simbólica.

“Os crimes continuam porque as autoridades tratam os cachorros como gado. Não faz sentido que o valor de um cachorro seja baseado em seu peso”, declarou ao jornal Nguyen Van Lang, presidente da Associação Canina Vietnamita.

Diante da urgência para acabar com esse problema social, as autoridades se limitaram a admitir sua incapacidade. Tran Van Do, vice-presidente do Supremo Tribunal vietnamita, assumiu em uma entrevista coletiva recente que “não haveria prisões suficientes para tantos ladrões de cachorros”. (Fonte: Terra)