Falta de recursos põe em risco fim do surto de ebola, dizem ONU e OMS

A ONU e a Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiram nesta sexta-feira (20) que a falta de recursos está pondo em perigo os esforços para terminar com o surto de ebola na África Ocidental, onde o número de novos infectados passou de cair dramaticamente para se estabilizar.

Segundo as Nações Unidas, para este ano serão necessários ao redor de US$ 1,5 bilhão e, por enquanto só se arrecadaram US$ 600 milhões.

“Um dos maiores riscos que enfrentamos agora é que os novos recursos para a resposta estejam caindo mais rápido do que o número de novos casos”, explicou em entrevista coletiva o diretor-geral adjunto da OMS, Bruce Aylward.

Após conseguir “um dos maiores sucessos em saúde pública” em muitos anos com a primeira fase da resposta contra o ebola, a comunidade internacional caiu em uma certa complacência, lamentou Aylward.

Segundo o especialista, se nas três ou quatro primeiras semanas do ano a queda no número de contaminações era “encorajadora”, a “história das últimas quatro semanas é diferente”, pois o número de novos casos deixou de cair e se estabilizou entre 120 e 150 por semana.

“Isto não é o que queremos com o ebola”, advertiu Aylward, que lembrou que o vírus é “extremamente perigoso” e afeta uma área muito ampla do território de Serra Leoa, Libéria e Guiné.

Ele considerou “extremamente difícil” cumprir a meta fixada esta semana pelos governos desses três países, que querem conseguir em um prazo de 60 dias que não haja nenhum novo contágio. (Fonte: G1)