Pesquisadores da Unesp estudam a movimentação de animais selvagens

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Rio Claro (SP) estudam as movimentações dos animais dentro das florestas. Com isso, será possível tornar mais eficientes os projetos de restauração ambiental. Entre os animais monitorados, estão as abelhas, que vão receber antenas transmissoras.

Pontos coloridos se movem na tela de um computador para representar a movimentação em uma floresta. Cada cor mostra o trajeto feito por um animal. Os bichos, monitorados 24 horas por dia, são porcos do mato, conhecidos como queixadas. Os animais receberam coleiras com transmissores que enviam os dados ao computador. A experiência foi feita no Pantanal (MT) por uma equipe da Unesp de Rio Claro.

Segundo o professor de ecologia da Unesp, o projeto vai ajudar a entender melhor o caminho pelo qual um animal optou. “Tentar ver quais são as condições que os organismos evitam e, a partir daí, fazer estudos específicos para saber se eles estão evitando por questões de agrotóxicos, contaminação ou porque não são adequados”, comentou.

O professor ainda explica que o monitoramento dos animais ajuda a preservar a espécies “Conhecendo como a fauna se movimenta, a gente consegue planejar melhor as ações de conservação e restauração. Há diversos serviços, prestados pela fauna e pela flora, que em sua base têm um movimento importante que ainda desconhecemos muito”, falou.

Uma consultoria do município presta serviços a empresas que precisam desmatar áreas para a construção. Nesses casos, é obrigatório fazer a compensação ambiental, como planta árvores. Com a nova pesquisa da Unesp, o biólogo afirma que ficará mais fácil se planejar.

“Se você sabe que ali existem determinados tipos de aves, que coletam determinados tipos de espécies, frutos e sementes, você pode plantar espécies de árvores desse tipo para acelerar o processo de restauração”, apontou. (Fonte: G1)