Crise hídrica faz aumentar procura por análise da qualidade da água

Desconfiados da qualidade da água do volume morto do Sistema Cantareira, cada vez mais consumidores estão procurando serviços de análise de água em São Paulo e na região metropolitana. Segundo laboratórios do setor, a demanda pelo serviço também aumentou entre pessoas e empresas que estão usando fontes alternativas de água, como poços artesianos, minas e água de reuso.

O G1 ouviu cinco empresas especializadas em análise de água, que relataram um aumento de 15% a 50% na procura pelo serviço desde outubro do ano passado.

“Desde que começou a crise hídrica, aumentou substancialmente o número de amostras solicitadas para análise, em torno de 15%”, doz Eduardo Thomé, gerente de vendas da empresa Microambiental. “O mais interessante é que mais pessoas físicas têm demandado esse tipo de serviço, como donas de casa e condomínios residenciais.”

No laboratório Bachema, o aumento da busca por esse tipo de teste chegou a 50%. Lá, a demanda parte tanto da população quanto de empresas, principalmente devido à percepção de características diferentes na água como odor e gosto diferente.

Falta de limpeza da caixa d’água – Nem todos os laboratórios têm registrado mudanças nos resultados dos testes. No caso da Microambiental, foi observada uma quantidade maior de microorganismos nas amostras. Já as outras empresas ouvidas não registraram uma piora nos resultados dos testes.

Outro fator que tem comprometido a qualidade da água que chega ao consumidor, segundo relato das empesas, é a resistência dos consumidores em limpar as caixas d’água. Empresas, condomínios e residências têm evitado o procedimento para não precisar esvaziar o reservatório, pelo temor de não conseguir enchê-lo novamente.

Dona do laboratório Biolacqua, Rose Marie Serafim explica que a coleta da água para análise é feita diretamente da rede, antes de ela passar pela caixa d’água. “Depois que a água entrou no reservatório, a responsabilidade é da pessoa de fazer a manutenção. As pessoas não estão limpando a caixa d’água e isso está afetando a qualidade da água da torneira.” Desde novembro, a empresa registrou um aumento de 40% na busca pelo serviço de análise de água.

Fontes alternativas de água – No laboratório Cascardi, a maior demanda tem sido a de condomínios e casas que querem testar se podem usar com segurança água de algum sistema de reuso ou de poço artesiano. “Querem saber se é seguro usar para irrigação de jardim, lavagem de roupa. É importante fazer o teste para a pessoa ter uma ideia da condição da água. Por mais limpa que possa parecer, não quer dizer que não haja contaminantes”, diz Gabriela Miorim Nóbrega, gerente técnica da empresa, que observou 15% de aumento por essa procura no último trimestre do ano passado.

Experiências parecidas foram relatadas pelos laboratórios Labortechnic e Microambiental, que teve até que aumentar o número de funcionários dedicados ao procedimento. “A preocupação com a qualidade da água é visível”, diz Thomé.

Veja dicas sobre como garantir a qualidade da água
- Antes de usar a água proveniente de sistemas de reuso, de poços artesianos ou de minas, é importante testar a qualidade dessa água em laboratório especializado
- O fato de a água ser tranparente e sem cheiro não significa que não haja contaminação
- Existem vários testes de qualidade de água. Para verificar se ela é segura para o consumo humano, os testes devem seguir a Portaria 2.914, de 2011, do Ministério da Saúde
- A Sabesp recomenda que a limpeza da caixa d’água seja feita a cada seis meses. Veja as recomendações que devem ser seguidas no procedimento. (Fonte: G1)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags