Volume do Sistema Alto Tietê apresenta terceira queda consecutiva

O volume armazenado no Sistema Alto Tietê apresentou nesta quinta-feira (4) sua terceira queda consecutiva nesta semana. Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o índice está em 22%. Na segunda-feira (1º), o volume era de 22,3%, e caiu 0,1% ao dia, desde então.

Durante a noite choveu 0,2 mm na região das represas. O acumulado de chuva de junho é, até agora, de 3,8 mm. A média histórica para o mês é de 55,5mm.

Na mesma data do ano passado, quando a região já enfrentava a crise hídrica, o volume armazenado nas represas era de 30,4 mm. A média histórica considerada para junho em 2014 era de 52,5 mm.

A represa do rio Jundiaí opera com 65% de sua capacidade. Em seguida está a represa de Biritiba Mirim (43,8%), Taiaçupeba (32,1%), Paraitinga (14,9%) e Ponte Nova (7,3%).

Outros meses – O Sistema Alto Tietê terminou maio com pluviometria 23,66% acima da média. A pluviometria acumulada foi de 73,7 mm e a média histórica é de 59,6 mm. Em 2015 houve redução da média histórica para maio, depois de um mês de poucas chuvas em no ano anterior. O índice era de 78,3 mm em 2014 e a pluviometria acumulada foi de apenas 33,4 mm.

Abril terminou com chuvas 19,8% acima da média histórica no Alto Tietê. Em fevereiro e março de 2015 também choveu mais que o esperado no sistema. Já em janeiro o mês terminou com chuvas 58,7% abaixo da média.

Sistema Alto Tietê – O Sistema Alto Tietê abastece 4,5 milhões de habitantes da Grande São Paulo e parte da capital. Desde dezembro de 2013, fornece água também a moradores que antes eram atendidos pelo Cantareira.

Em dezembro de 2013, a água produzida na região passou a atender parte da população que antes era abastecida pelo Sistema Cantareira, mas a medida foi anunciada pelo governador Geraldo Alckmin apenas em março de 2014.

Implantado no início da década de 1970, o sistema é formado por cinco reservatórios: Ponte Nova (Rio Tietê), no limite dos municípios de Salesópolis e Biritiba Mirim; Paraitinga (Rio Paraitinga), em Salesópolis; Biritiba (Rio Biritiba), no limite dos municípios de Biritiba Mirim e Mogi das Cruzes; Jundiaí (Rio Jundiaí), em Mogi das Cruzes; e barragem de Taiaçupeba (Rio Taiaçupeba), no limite de Mogi e Suzano. A água do sistema é tratada na Estação de Taiaçupeba, em Suzano. (Fonte: G1)