Brasil tem apoio global para ação ambiental

Investidores mundiais aprovaram as políticas ambientais brasileiras. No último evento da série de Diálogos do Brasil na COP 21, realizados pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em Paris, os representantes de grandes organizações classificaram como positiva a promoção do desenvolvimento sustentável no País. O debate faz parte da programação paralela da 21ª Conferência das Partes (COP 21), que ocorre até o fim desta semana na capital francesa com o objetivo de firmar um pacto global para frear o aquecimento do planeta.

A avaliação decorre do incentivo ao estabelecimento de uma economia florestal baseada na redução das emissões de carbono em território nacional. O secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do MMA, Carlos Klink, comemorou a aprovação por parte dos organismos internacionais. “Essa reação mostra que o Brasil deu o passo certo ao combinar a valorização dos ativos da floresta com a conservação e o reflorestamento”, afirmou. “O combate ao desmatamento abriu esse leque de novas oportunidades.”

Desafios
– As oportunidades citadas pelo setor incluem medidas voltadas para a ao uso sustentável da terra. O diretor do Climate Policy Initiative (CPI), Thomas Heller, afirmou que o Brasil encontrará desafios pela frente. “As tarefas como o CAR (Cadastro Ambiental Rural) e regularização dos imóveis rurais não são fáceis”, analisou o executivo da CPI, entidade que analisa medidas adotadas em países com maior potencial de impacto mundial. “Mas estamos à beira de uma revolução em diversos setores como o da agricultura.”

A biodiversidade dos ecossistemas brasileiros também foi apontada como um importante atrativo. O presidente do World Resources Institute (WRI), Andrew Steer, ressaltou a necessidade de planos de gestão para a conservação e o uso sustentável dos biomas presentes no País. “O Brasil tem esse incrível capital natural”, elogiou o presidente da organização não-governamental dos Estados Unidos. “O País está trabalhando duro e os investimentos fluirão à medida que a demanda surgir”, emendou.

Apesar de ser um fenômeno natural, o efeito estufa tem aumentado nas últimas décadas e gerado as mudanças do clima. Essas alterações são fruto do aumento descontrolado das emissões de substâncias como o dióxido de carbono e o metano. A liberação desses gases na atmosfera ocorre por conta de diversas atividades humanas, entre elas o transporte, o desmatamento, a agricultura, a pecuária e a geração e o consumo de energia.

Com o objetivo de frear os prejuízos, foi criada a Convenção sobre Mudanças do Clima das Nações Unidas (UNFCCC, na sigla em inglês), que conta com 195 países signatários. Todos os anos, representantes de todas essas nações se reúnem na Conferência das Partes (COP) para elaborar metas e propostas de mitigação e adaptação e para acompanhar as ações e acordos estabelecidos anteriormente.

O acordo que os países signatários estão negociando na COP 21, em Paris, deve começar a valer em 2020. Para o período pós-2020, o Brasil se comprometeu a reduzir 37% das emissões de gases de efeito estufa até 2025 e 43%, até 2030. Ambas as metas são comparadas aos níveis registrados em 2005. Para isso, o governo federal pretende assegurar 45% de fontes renováveis, incluindo as hidrelétricas. Há, ainda, a previsão de restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de vegetação em território nacional, além de acabar com o desmatamento ilegal. (Fonte: MMA)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags
Ambientebrasil - Notícias located at 511/67 Huynh Van Banh , Ho Chi Minh, VN . Reviewed by 43 customers rated: 4 / 5