Líder norte-coreano ordena novos testes de seu arsenal nuclear

O líder norte-coreano, Kim Jong-Un, ordenou novos testes de seu arsenal nuclear, informou nesta sexta-feira (11) a imprensa estatal, em um novo desafio à Coreia do Sul e aos Estados Unidos, que desenvolvem gigantescas manobras militares.

Desde o início das manobras, na segunda-feira (7), a Coreia do Norte lançou ameaças diárias contra Washington e Seul e inclusive falou da possibilidade de “ataques nucleares preventivos”, algo que provocou uma reação irada da Rússia.

Na quinta-feira, Kim Jong-un subiu mais uma vez o tom e ordenou “mais testes nucleares para avaliar a potência destrutiva das ogivas nucleares (miniaturizadas) fabricadas recentemente”, informou a agência de notícias governamental KCNA.

Na quarta-feira, Kim havia revelado que seus cientistas conseguiram miniaturizar armas atômicas, detalhe essencial para poder colocá-las nos mísseis de ataque. “Isso pode ser chamado de verdadeiro elemento de dissuasão nuclear”, disse Kim.

A ordem de Kim de novos testes nucleares ocorreu depois do exercício de voo com dois mísseis balísticos de curto alcance , disse a KCNA.

Estes mísseis caíram a 500 km da Coreia do Norte sobre o Mar do Japão. O lançamento foi parte de um exercício de contra-ataque nuclear e a meta, “simular a detonação de bombas nucleares em altitude pré-determinada sobre alvos localizados em portos sob controle de forças estrangeiras agressivas”, informou a agência norte-coreana.

Depois do teste, Kim, ao falar sobre as manobras realizadas por sul-coreanos e americanos, advertiu que caso seja danificada “uma única folha de grama” norte-coreana “darei ordem de lançar imediatamente um contra-ataque com todos os meios militares disponíveis”.

O tema da miniaturização é crucial, já que, embora se reconheça que a Coreia do Norte dispõe de um pequeno arsenal de armas nucleares, as dúvidas giram sobre a real capacidade da nação comunista de detonar seus explosivos em alvos situados a grande distância.

O outro aspecto em discussão é a capacidade norte-coreana de controlar o reingresso à atmosfera de um míssil balístico de longo alcance, e que não exploda com o atrito, ou que caia em um local muito distante do desejado.

Sobre este ponto os especialistas ocidentais são bastante céticos acerca do grau de domínio norte-coreano da tecnologia de reingresso.

Só existem provas até agora de que a Coreia do Norte conseguiu dominar a tecnologia do lançamento e da colocação em órbita, o que fez no mês passado com um lançamento de um míssil balístico.

“Uma ogiva nuclear de um míssil intercontinental precisa voltar à terra, e a Coreia do Norte jamais demonstrou dispor de uma tecnologia que permita a um veículo espacial, incluindo uma bomba, sobreviver ao reingresso na atmosfera”, explicou dias atrás o engenheiro espacial John Schilling, que seguiu de perto o programa norte-coreano. “Mas se conseguirem (dominar esta tecnologia), a ameaça coreana, que até hoje é apenas algo teórico, se tornará muito real e alarmante”, acrescentou.

As tensões na península da Coreia aumentaram após o quarto teste nuclear norte-coreano em janeiro e o lançamento do míssil intercontinental em fevereiro, ambas violatórias das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que aumentou as sanções contra o regime comunista de Pyongyang. (Fonte: G1)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags
Ambientebrasil - Notícias located at 511/67 Huynh Van Banh , Ho Chi Minh, VN . Reviewed by 43 customers rated: 4 / 5