Metade dos grandes investidores ignora mudança climática, diz estudo

Quase metade dos 500 maiores investidores do mundo não está fazendo nada para lidar com a mudança climática por meio de seus investimentos, revelou um estudo divulgado nesta segunda-feira (2).

Um relatório do Projeto de Revelação dos Detentores de Ativos (AODP, na sigla em inglês), uma organização sem fins lucrativos cuja meta é aprimorar a administração da mudança climática, mostrou que pouco menos de um quinto dos principais investidores – ou 97, que gerenciam um total de US$ 9,4 trilhões em ativos – estão adotando medidas tangíveis para mitigar o aquecimento global.

Entre elas estão investimentos em ativos pouco poluentes ou o incentivo para que as empresas invistam para ser mais “verdes”.
Outros 157 investidores que administram um total de US$ 14,2 trilhões estão dando os “primeiros passos” para tratar da mudança climática, e 246 que gerenciam US$ 14 trilhões não estão fazendo nada, diz o relatório.

“O risco da mudança climática é hoje um tema dominante para investidores institucionais, e o ano passado testemunhou muitos deles intensificando significativamente as ações para lidar com ela”, afirmou o executivo-chefe do AODP, Julian Poulter, em um comunicado.

“Entretanto… é chocante que quase a metade dos maiores investidores do mundo não estejam fazendo nada para mitigar o risco climático”, disse, acrescentando que os fundos de pensão e as seguradoras que ignoram a mudança climática estão “apostando com as economias e a segurança financeira de centenas de milhões de pessoas”.

O AODP classifica os 500 maiores fundos de pensão, seguradoras, fundos de riqueza soberana e fundações que coletivamente administram 38 trilhões de dólares em ativos no tocante ao sucesso que obtêm no gerenciamento do risco climático em seus portfólios.

Com base em prestações de dados diretas e informações disponíveis ao público, elas são classificadas de ‘AAA’ a ‘D’, e aquelas que não estão tomando nenhuma providência são consideradas ‘X’.

A melhor do ranking foi o Fundo de Pensão da Agência Ambiental da Grã-Bretanha, que tem US$ 3,96 bilhões em ativos. (Fonte: G1)