Piauí pede que governo federal envie aeronaves para combate a incêndios

A secretaria de segurança Pública do Piauí solicitou, nesta sexta-feira (14), ao governo Federal o envio de aeronaves para serem usadas no controle de queimadas que têm atingido todo Piauí e a capital Teresina. O secretário Fábio Abreu afirmou ainda que além dessa soliticação, já foi confirmado o recebimento de uma aeronave da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

“Falei com o secretário Nacional de Segurança Pública (Celso Perioli) e ele me garantiu toda a parte operacional para a cessão desse avião. Nossa expectativa é que o pedido seja concedido logo e talvez essa aeronave chegue no Piauí ainda neste sábado (15)”, disse para o G1, o secretário de segurança.

Fábio Abreu disse ainda que a Superintendência Nacional da Polícia Rodoviária Federal confirmou o envio de uma aeronave para a capital piauiense. “Esse avião está no estado do Pernambuco e nossa expectativa é que ela chegue ainda hoje (14) aqui em Teresina”, disse Fábio Abreu, somando assim pelo menos dois aviões para serem usados no combate à queimadas

“As aeronaves poderão atuar principalmente nas áreas onde o Corpo de Bombeiros tem dificuldade de acesso. O comandante dos bombeiros me disse que existem locais em que as viaturas não conseguem chegar e o combate deve ser feito no foco de incêndio. Com as aeronaves, esse trabalho poderá ser realizado com mais êxito”, explicou o secretário.

Nos últimos dois dias, o Corpo de Bombeiros registou 34 ocorrências apenas em Teresina e arredores. A instituição reforçou a equipe que realiza o combate às chamas, com 10 homens, somando 25 bombeiros em cada ação. O governador Wellington Dias liberou recursos para a compra do horário de folga dos bombeiros e solicitou o reforço do Exército Brasileiro, da Defesa Civil, das brigadas voluntárias e da Polícia Militar.

Incêndios deixaram 110 mil sem energia – Em virtude das constantes queimadas no Piauí, outra ameaça surge: o risco de curtos-circuitos e interrupção no fornecimento de energia elétrica. De acordo com Eletrobras, este ano já foram mais de 112 mil consumidores afetados com a falta de energia por conta dos incêndios. A média de tempo sem energia já é maior do que o ano passado. Em 2015, esse tempo foi de 45 minutos e atingiu 75 mil consumidores. Até setembro deste ano, a média já era de 72 minutos às escuras.

Conforme a distribuidora, de terça (11) a quarta-feira (12), os consumidores do município de Palmeirais ficaram sem energia por duas horas devido a um incêndio no povoado Matinha. Houve também queima de transformador de distribuição em José de Freitas.

Orientação para a população – Por conta da onda de incêndios, a PRF e o Corpo de Bombeiros fazem alerta de como proceder em casos de queimadas e evitar algumas condutas. De acordo com o major José Veloso, dos bombeiros, a recomendação principal é para que a população evite atear fogo em qualquer local. As altas temperaturas registradas no últimos meses, além da umidade relativa do ar abaixo de 20%, contribuem para a rápida propagação do fogo.

“Até que a situação se estabilize, pelo menos por 10 dias não coloquem fogo em nada. Quer seja no jardim para a limpeza de folhas secas, quer seja na fossa, por conta exatamente desses perigos do fogo se alastrar e a gente não ter como atender a todos os casos.A orientação é não queimar absolutamente nada”, alertou.

Outra orientação é para pessoas que moram próximo a terrenos com vegetação alta e seca. De acordo com o major, o ideal é que seja feita uma limpeza periódicas nessas áreas, que são regiões com mais potencial de focos de queimadas. No caso de incêndio, a recomendação é retirar da residência o que der, mas sem colocar em risco a integridade física e entrar em contato com o Corpo de Bombeiros.

Meio Ambiente cobra ações – O promotor do meio ambiente de Teresina Sávio Carvalho disse na quinta-feira (13) que falta planejamento por porte dos órgãos públicos para evitar e enfrentar os incêndios que assolam Teresina e todo o Piauí. “Falta planejamento para evitar o que está acontecendo, já que todos os anos esses focos aparecem na mesma época. Então, ninguém foi pego de surpresa, essa é uma situação previsível e que tem que ser enfrentada”, falou.

Nos últimos dias, a capital do Piauí vem enfrentando uma onda de incêndios que tem coberto a cidade com fumaça. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Teresina é a cidade do estado que mais teve focos de incêndio no mês de outubro, com 70 queimadas.

Bombeiros gere caos – A Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Piauí (Abmepi) denunciou a falta de estrutura do Corpo de Bombeiros e diz que a corporação vem “administrando o caos”. A entidade cobra investimentos urgentes na reorganização e reestruturação da organização.

Para o presidente da Abmepi, capitão Anderson Pereira, há uma inércia no comando do órgão, necessitando de ampliação do quadro de profissionais e aquisição de novos equipamentos. As denúncias sobre a falta de estrutura são recorrentes.

São apenas quatro companhias do Corpo de Bombeiros em todo o Piauí localizados em Teresina, Parnaíba, Picos e Floriano. Para atender os 224 municípios, existem 314 bombeiros, sendo que metade atua somente na capital. Conforme a legislação, no Piauí seriam necessários 17 companhias para atender toda a população do estado.

Famílias desabrigadas – Parte da zona rural de União, cidade ao Norte do Piauí, foi devastada pelo fogo e pelo menos cinco famílias ficaram desabrigadas após um incêndio de grandes proporções atingir sete comunidades. As chamas começaram ainda na terça-feira (11) e até a manhã desta quinta-feira (13), pequenos focos ainda persistiam. No total, são 40 pessoas desabrigadas.

De acordo com o secretário municipal de administração Bruno Marinho, que também integra a equipe de Defesa Civil, foi feita uma verdadeira força-tarefa para poder debelar o fogo na região. Segundo ele, o Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas apenas uma viatura foi enviada e não conseguiu controlar as chamas. (Fonte: G1)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags