Genética ‘inocenta’ canadense acusado erroneamente de ser ‘Paciente Zero’ da Aids nos EUA

O canadense Gaetan Dugas foi um dos pacientes mais demonizados da história. Sua fama era nada mais, nada menos a de ter sido responsável por propagar o vírus da imunodeficiência humana (HIV) nos Estados Unidos.

Porém, a ciência mostrou que não foi bem assim. Um estudo genético publicado na revista Nature limpou a reputação de Dugas, que ficou conhecido como o “Paciente Zero” de Aids.

Na verdade, mostraram os exames, ele foi mais uma entre as milhares de vítimas infectadas pela doença na década de 1970.

O erro se originou de um mal-entendido que confundiu a letra O com o numeral zero. Um “paciente ó” era alguém infectado com vírus HIV de fora do Estado da Califórnia (“out-of-California”, na sigla em inglês utilizada pela entidade Centros de Controle da Doença dos EUA).

Com o tempo, porém, a letra foi sendo confundida com o numeral, e Dugas passou a ser conhecido como o Paciente Zero – supostamente o primeiro a contrair a doença, no jargão médico.

“Gaetan Dugas foi um dos pacientes mais demonizados da história e um dos muitos indivíduos e grupos apontados como responsáveis por espalhar a epidemia intencionalmente”, disse Richard McKay, historiador da ciência da Universidade de Cambridge.

Dugas era homossexual e comissário de bordo da companhia Air Canada. Ele morreu em 1984 em decorrência de complicações por causa da Aids.

A expressão “Paciente Zero” é utilizada em referência ao histórico de algumas doenças – por exemplo, em relação ao primeiro caso do surto de Ebola no continente africano.

Mas no caso da Aids – a síndrome da imunodeficiência adquirida -, a disseminação ocorreu de maneira diferente.

Análises de sangue – A Aids começou a ficar conhecida em 1981, quando sintomas até então incomuns começaram a aparecer em homens gays. Mas os investigadores do estudo conseguiram ir além e analisaram amostras de sangue armazenadas como provas de hepatite na década de 1970 e concluíram que algumas delas já continham HIV.

A equipe da Universidade do Arizona desenvolveu um novo método para reconstruir o código genético do vírus nesses pacientes. Depois de avaliar 2 mil amostras de Nova York e São Francisco, os cientistas conseguiram achar oito códigos genéticos completos do HIV.

Isso deu a eles a informação de que precisavam para construir uma árvore genealógica do HIV e descobrir quando ele chegou aos EUA.

“As amostras apresentam tamanha diversidade genética que não é possível que elas tenham origem no final da década de 1970”, disse Michael Worobey, um dos pesquisadores do estudo.

“Podemos considerar as datas mais precisas sobre a origem da epidemia nos Estados Unidos por volta de 1970 e 1971”, acrescenta.

Os cientistas também avaliaram o código genético do vírus da imunodeficiência humana tirado do sangue de Dugas – e o resultado é que ele não é a origem da epidemia nos Estados Unidos.

Dugas foi identificado como “Paciente Zero” no livro “And the Band Played on” (“E a vida continua”, em tradução livre).

Pontos de disseminação – O estudo também explorou o papel chave de Nova York na propagação da doença.

A cidade de Kinshasa, na República Democrática do Congo, foi indicada como a cidade em que a pandemia mundial teve início. Dali, expandiu-se para o Caribe e os Estados Unidos por volta de 1970.

“Na cidade de Nova York, o vírus encontrou uma população que era como lenha seca, fazendo com que a epidemia se espalhasse muito rápido, infectando uma grande quantidade de gente e chamando a atenção do mundo pela primeira vez”, disse Worobey.

“Da mesma forma como Kinshasa foi um lugar crítico para a pandemia, a cidade de Nova York também o foi, porque o vírus chegou à Costa Oeste e depois à Europa Ocidental, Austrália, Japão, América Latina e outros lugares”, acrescentou.

Segundo Oliver Pybus, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Oxford, “esses novos dados ajudam a confirmar as origens do HIV nos Estados Unidos”.

“O ‘Paciente Zero’ se tornou um tema de discussão relacionado às origens da Aids, porém, por mais que a narrativa pareça atraente, não tem nenhuma base científica”, diz o cientista.

“É realmente lamentável que essa pessoa tenha sido identificada assim.” (Fonte: G1)