Estudo mostra impacto do Pronatec na floresta

Moradores da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema, no Acre, passaram a lidar com a terra de maneira mais inovadora e sustentável após conclusão de cursos profissionalizantes do Pronatec Bolsa Verde-Extrativista. Foi essa a conclusão da pesquisa Pronatec Campo: reflexo na produção familiar, realizada pelo professor de pedagogia do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (IFAC) Raimundo Gouveia.

Fruto da parceria entre os ministérios da Educação (MEC) e do Meio Ambiente (MMA), o Pronatec Bolsa Verde é um programa de acesso ao ensino técnico criado para apoiar o desenvolvimento sustentável por meio do fortalecimento da cadeira produtiva do extrativismo, da elevação de escolaridade e do combate ao analfabetismo.

Para o professor, os conhecimentos adquiridos nos cursos resultaram em “crescimento profissional e intelectual no meio da floresta amazônica, uma vez que tanto jovens como adultos passaram a utilizar técnicas apropriadas para a exploração dos recursos naturais”.

Raimundo Gouveia explica, ainda, que as propostas dos cursos são viáveis para a região, pois atendem aos anseios da comunidade e que a avaliação dos resultados dos cursos na Reserva traz maior embasamento sobre a importância da continuidade do programa nas comunidades locais.

Reserva - A Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema foi criada em 2002 e é administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente. São produtos extrativistas estão o açaí, patauá, bacuri, jatobá, copaíba e sementes, entre outros.

“O Pronatec Bolsa Verde tem sido uma política pública importante. Temos acreditado e conseguido implementá-la desde 2014, com resultados bastante satisfatórios para a gestão da unidade de conservação”, afirma o gestor da Resex, Tiago Juruá.

De acordo com o gerente de projeto do Departamento de Extrativismo do Ministério do Meio Ambiente, Leonardo Pacheco, os cursos ofertados pelo Pronatec Bolsa Verde são vinculados aos objetivos do Programa Bolsa Verde, entre eles apoio à conservação e inclusão produtiva.

Estados - Atualmente, o programa beneficia diretamente 1,5 mil pessoas. Entre os estados participantes estão: Maranhão, Amazonas, Rondônia, Acre, Bahia, Pará, Amapá e Sergipe.

“Tem sido uma política com alto grau de aceitação e procura pelos técnicos do ICMBio e pelos beneficiários das unidades de conservação. Através dos cursos, os beneficiários do Programa Bolsa Verde têm acesso a conhecimentos que podem ser cruciais para garantir a elevação de renda da família”, destacou Pacheco.

Pronatec Catadores – Outra modalidade da parceria do Ministério do Meio Ambiente com o MEC é o Pronatec Catador, que tem como objetivo promover a ampliação da oferta da qualificação profissional e tecnológica para catadores de materiais recicláveis.

“Os catadores têm papel fundamental na implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos e essas formações visam a promoção e o fortalecimento das cooperativas e associações de catadores, fazendo com que eles ganhem cada vez mais força e reconhecimento”, explicou a analista ambiental Patrícia Barbosa.

Aproximadamente mil pessoas, em 30 municípios e 13 unidades da Federação, foram beneficiadas diretamente pelos cursos em 2016. E esse número, segundo Patrícia, pode ser ainda maior “uma vez que, após a conclusão, a perspectiva de melhoria na qualidade de vida tanto dos catadores quanto de seus familiares pode aumentar”.

Acesso - O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) tem o objetivo de expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica no país, além de ampliar oportunidades educacionais e de formação profissional qualificada aos jovens, trabalhadores e beneficiários de programas de transferência de renda. (Fonte: MMA)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,