Rajadas de vento atingem 75 km/h e provocam estragos na Baixada Santista

A formação de uma frente fria no Sul do País provocou rajadas de vento de pelo menos 75 Km/h nas cidades da Baixada Santista, no litoral de São Paulo, no domingo (14). O vendaval ocasionou queda de árvores, placas e letreiros comerciais e deixou 38 mil imóveis sem luz. No Porto de Santos (SP), um homem ficou preso em um guindaste.

A estação marítima da Praticagem de São Paulo foi a que registrou a maior velocidade do vento, ainda no início da manhã. Os equipamentos da Base Área de Santos, entretanto, marcaram rajada de 42 Km/h, também no mesmo período. A velocidade média dos ventos, segundo as duas estações, foi de 20 Km/h.

O meteorologista do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), João Caetano Mancini Vaz, do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe), explica que o vendaval registrado na região foi em decorrência de um processo de formação de uma frente fria, que atinge o sul do Brasil neste domingo.

“Intensifica os ventos e aumenta a temperatura. Chamamos de um processo pré-frontal, mas essa frente fria não deve chegar ao Sudeste, pois está se deslocando para o oceano”, explicou o meteorologista. Segundo ele, justamente por manter característica oceânica, o litoral acaba recebendo mais influência.

A estação meteorológica do Cptec/Inpe em Iguape, na região do Vale do Ribeira, registrou rajadas de 33 Km/h também durante a manhã. “A medida que a frente fria, no Sul, vai se deslocando para o oceano, a gente vai recebendo os ventos. O calor ocorre pelos ventos de noroeste, vindo do continente”, disse.

Ainda de acordo com o meteorologista, a previsão é que a nebulosidade aumente ao longo da semana e as temperaturas não ultrapassem a máxima de 30ºC na Baixada Santista e no Vale do Ribeira. As condições climáticas também podem ocasionar chuvas, mas o sol deve predominar.

As equipes da Defesa Civil em Santos (SP) registraram a queda de quatro árvores e um toldo entre os bairros da Pompéia e do Marapé, sem deixar vítimas. Houve agitação marítima, mas não provocou danos nas muretas da Ponta da Praia e as vias não precisam ser bloqueadas, ainda segundo a Prefeitura.

O Porto de Santos, segundo a Praticagem, não teve a navegação interrompida pela Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) e a travessias de balsas também não foi paralisada. Em um terminal de contêineres, um funcionário ficou preso no elevador de um portêiner, que parou por causa do vendaval. Ele foi resgatado sem ferimentos.

Em São Vicente (SP), foram registradas 18 ocorrências, a maioria com queda árvores. As equipes da Prefeitura foram deslocadas para fazer o atendimento, retirar galhos de fiação e verificar os danos ocasionados. Em um dos casos, uma árvore caiu dentro de uma residência, mas não vitimou os moradores, informou a administração municipal.

Em Bertioga (SP), a prefeitura informou que as equipes da Defesa Civil atenderam aos chamados de, ao menos, 15 quedas de árvores. A maioria dos casos foi registrado no trecho entre as avenidas Anchieta e Vicente de Carvalho, e na rua Jorge Ferreira. Também foi registrados a queda de um letreiro na cidade.

Em Guarujá (SP), a prefeitura disse que na cidade duas ocorrências foram registradas por causa da ventania. Uma porta de vidro de um prédio público estourou e um poste, na Rua Emilio Carlos com a Montenegro, na Vila Maia, caiu. Ambas ocorrências já foram reparadas por equipes da administração municipal.

A Prefeitura de Praia Grande (SP) informou que não registrou incidentes de gravidade ao longo da madrugada e da manhã. Por nota, disse que a Defesa Civil atendeu chamados de problemas estruturais em imóveis particulares de munícipes, mas que não resultaram em interdições. As equipes permanecem de plantão.

A Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) Piratininga informou que aproximadamente 30 mil clientes ficaram sem o fornecimento de energia elétrica nas cidades de São Vicente, Praia Grande e Cubatão (SP) durante o vendaval deste domingo. A empresa informou que reforçou as equipes para poder restabelecer o serviço.

A concessionária Elektro informou que 8 mil clientes de Bertioga ficaram sem energia em razão dos fortes ventos. A empresa também atendeu ocorrências de falta de luz nas cidades Guarujá, Itanhaém (SP) e Peruíbe (SP), mas informou que tratam-se de “casos pontuais”.

O Corpo de Bombeiros informou que deslocou equipes para trabalhos de vistorias em imóveis e para realizar o corte de árvores que caíram. Segundo a corporação, apesar da grande quantidade casos envolvendo danos por causa do vento, ninguém ficou ferido. (Fonte: G1)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,