Suiços aprovam futuro com mais energias renováveis e sem usinas nucleares

Os suiços aprovaram neste domingo em referendo, por 58,2% dos votos, a chamada Estratégia 2050, que visa reduzir o consumo de energia, aumentar a eficiência energética, promover as energias renováveis e proibir a construção de novas usinas nucleares.

Apenas quatro cantões, Argóvia, Glarus, Obwalden e Schwyz, rejeitaram a nova lei, na qual o governo da Suiça começou a trabalhar após o acidente nuclear de Fukushima, no Japão, em 2011, para deixar a era atômica para trás e estabelecer as bases para um ambicioso projeto de transformação energética na Europa.

A Suíça conta com cinco centrais nucleares, que serão desativadas assim que for cumprida sua vida útil, daqui a 20 a 30 anos.

Um terço da energia produzida pelo país é de origem nuclear, 60% procede de usinas hidrelétricas e o resto de usinas termelétricas e de várias fontes de energia renovável.

Considerando que, com a nova lei, a Suíça não poderá contar no futuro com um terço da energia que produz atualmente, a Estratégia 2050 estabelece uma redução do consumo de energia e eletricidade.

Em média, cada pessoa deve diminuir o consumo energético em 16% até 2020 e em 43% até 2035, em comparação com o ano 2000, e o de eletricidade em 3% e 13%, respectivamente.

Para compensar esta redução, a Suíça pretende aumentar a produção de energia através de recursos renováveis como as energias solar, eólica e geotérmica, a biomassa e o biogás.

O financiamento do estímulo às energias renováveis será bancado por aumento na conta de luz de residências e empresas. A estimativa para uma família de quatro pessoas e com um consumo médio é de encarecimento em 40 francos (cerca de R$ 130).

Os opositores da iniciativa, entre eles alguns partidos políticos, alegam que os custos serão muito maiores e que o governo “omite” as despesas reais. Eles afirmam que a lei custará nos próximos 30 anos 200 bilhões de francos (R$ 668 bilhões), o que representa para um lar com quatro pessoas a cada ano um aumento de 3.200 francos (R$ 10.690) em impostos e despesas.

Eles também argumentam que a exigência de reduzir quase à metade o consumo energético nos próximos 18 anos requer “medidas drásticas” aos suiços, com instalações novas nas suas residências e com mais burocracia e proibições. E frisam que a lei provocará perdas de postos de trabalho e de conforto, sobretudo no turismo, no comércio varejista e nos setores manufatureiros, e que as instalações eólicas e fotovoltaicas adicionais “desfigurariam” a paisagem. (Fonte: Terra)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,