Novos estudos mostram que agrotóxico afeta reprodução e diminui população de abelhas

Dois novos estudos publicados nesta quinta-feira (29) na revista “Science” mostram que os agrotóxicos neonicotinóides prejudicam a reprodução e a vida de abelhas. Nos Estados Unidos, uma espécie do inseto já está ameaçada de extinção. Na Europa e em toda a América do Norte, as operárias estão desaparecendo abruptamente das colmeias.

Uma das pesquisas conseguiu resultados em grande escala e reuniu dados de experimentos feitos no Reino Unido, na Alemanha e na Hungria. Os cientistas expuseram três espécies de abelha aos agrotóxicos neonicotinóides.

Na Hungria, o número de colônias do inseto caiu 24% na primavera seguinte. No Reino Unido, a sobrevivência das abelhas foi muito baixa. Curiosamente, o agrotóxico não apresentou efeitos nocivos na Alemanha — no entanto, um menor sucesso reprodutivo, avaliado pelo número de rainhas e na produção de ovos, foi associado a níveis altos de neonicotinóides nos ninhos das abelhas (Bombus terrestris e Osmia Bicornis) nos três países.

“Os neonicotinóides investigados causaram uma redução na capacidade de as três espécies de abelhas estabeleceram novas populações no ano seguinte, principalmente no Reino Unido e na Hungria”, disse o autor principal do estudo, Ben Woodcock.

O segundo artigo publicado pela revista “Science” trabalhou na área de cultivo de milho no Canadá. Eles isolaram os impactos dos neonicotinóides de outras práticas agrícolas de alta intensidade.

A pesquisadora Nadejda Tsvetkov, junto com a sua equipe, descobriu que as abelhas expostas ao agrotóxico tinham uma menor expectativa de vida e suas colônias eram mais propensas a perder as rainhas. Eles também observaram que os neonicotinóides podem ser ainda mais potentes quando misturados a um inseticida comum. (Fonte: G1)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,
Ambientebrasil - Notícias located at 511/67 Huynh Van Banh , Ho Chi Minh, VN . Reviewed by 43 customers rated: 4 / 5