Astro da TV faz alerta sobre os perigos das mudanças climáticas

O ponto complicado sobre as mudanças climáticas, e sobre explicar o que é, é que é muito difícil de ver acontecendo. É difícil sentir o aumento das temperaturas quando a diferença é de um a dois décimos de graus por ano. Mas esses décimos de graus se somam. E este ano visitei duas partes remotas e muito diferentes do mundo onde os efeitos das mudanças climáticas são facilmente visíveis a olho nu e estranhamente semelhantes.

À primeira vista, alguém pode não achar que as geleiras maciças e imponentes da Groenlândia tenham algo em comum com as praias das Maldivas. Eu certamente não achava. Mas quando viajei para as Maldivas no mês passado como embaixador da Boa Vontade para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), fiquei surpreso com a familiaridade dos desafios enfrentados pela nação da ilha e seu povo. Repetidamente me lembrei da Groenlândia, terra da minha esposa e onde filmei um projeto de mudança climática com o Google Maps no início deste ano.

Compostas por inúmeras ilhas, as Maldivas e a Groenlândia possuem uma população amplamente dispersa e enfrentam desafios de infraestrutura por serviços tão básicos quanto à eliminação de resíduos. Os residentes que vivem em aldeias espalhadas pelas ilhas dependem principalmente da pesca para renda e o sustento.

À medida que as temperaturas aumentam, as magníficas geleiras da Groenlândia derretem a um ritmo acelerado, e o aumento do nível do mar e o aumento das ondas de tempestade estão corroendo as praias perfeitas das Maldivas. As mudanças climáticas não só ameaçam apagar as próprias características que tornam esses dois lugares únicos e bonitos – mas afeta diretamente as economias locais e o modo de vida.

Na Groenlândia, a camada de gelo em derretimento rápido está vazando 300 bilhões de toneladas de gelo no oceano  a cada ano, o que prejudica os importantes ecossistemas costeiros, a comida local e o abastecimento de água e é um dos principais contribuintes para o aumento do nível do mar. Além disso, os padrões de mudança do gelo marinho perturbaram dramaticamente os estilos de vida de pesca e caça que sustentaram as populações locais por séculos.

Enquanto isso, nas Maldivas, a superfície do mar sendo aquecida contribui para o branqueamento de corais, o que afeta negativamente o sistema ecológico marinho e os padrões de pesca. O aumento do nível do mar e o aumento das ocorrências de tempestade e ondas de maré estão destruindo os meios de subsistência das pessoas e comprometendo as reservas de água doce. A erosão severa da praia afeta mais de 80% das ilhas habitadas. Isso aumenta ainda mais o risco de inundações e limita oportunidades e espaço para indústrias locais, como a construção de barcos e a agricultura.

Enquanto estive nas Maldivas, viajei para a Ilha Maabaidhoo, que é altamente vulnerável a erosão severa, altas marés e ondas de tempestade, particularmente durante o período de monções na região sudoeste. Lá conheci Muna, que começou a cultivar pimentas para complementar a renda familiar. Tanto ela como seu marido trabalham, mas não ganham o suficiente para equilibrar o orçamento. Por isso contam com a pequena fazenda de pimenta como um recurso precioso para geração de renda.

Devido à erosão e à escassez de terras em sua ilha, o terreno de Muna estava perto do mar. As pimentas estavam a uma semana da colheita quando as marés chegaram ao final de agosto deste ano. Apesar das cercas de lata diligentemente levantadas e uma rede protetora, a colheita foi completamente destruída. Para piorar as coisas, Muna poderia ter salvo as pimentas lavando o sal com água fresca. Mas a única água disponível era a água subterrânea salina, altamente contaminada. Como resultado, ela perdeu seu investimento e meses de trabalho árduo.

A proximidade da população com as áreas costeiras torna todos os maldivos altamente vulneráveis a eventos climáticos extremos, que deverão ter períodos de retorno mais curtos com maior intensidade. A volatilidade e a imprevisibilidade de um clima em mudança ameaçam aumentar a frequência e a gravidade das catástrofes naturais também a nível mundial. Já vimos isso no furacão Irma, nas enchentes em Bangladesh e em deslizamentos de terra, tempestades e secas em todo o mundo.

À medida que os governos mundiais se reúnem para a conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas em Bona, na Alemanha, de 6 a 17 de novembro, devemos garantir que proteger as populações que enfrentam os maiores riscos esteja no topo da agenda de discussões. A comunidade global deve apoiar os países vulneráveis, especialmente os países-ilhas.

Devemos investir em soluções comprovadas de adaptação climática sustentável e mitigação. Como vi em primeira mão durante a minha visita às iniciativas do PNUD nas Maldivas, pequenas etapas, como o aumento da capacidade dos tanques comunais de água da chuva, a introdução de sistemas de irrigação inteligentes, o restabelecimento das costas e o crescimento de corais podem fazer a diferença.

As comunidades em todos os lugares exigem apoio para combater as mudanças climáticas. A ação climática é uma peça chave do quebra-cabeça, sem a qual não podemos alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O Acordo de Paris delineou o que precisa ser feito. Agora cabe aos países, cidades, comunidades e indivíduos.

Se você mora nas Maldivas, na Groenlândia, nos Estados Unidos ou em qualquer outra parte do mundo, as mudanças climáticas são uma ameaça para cada pessoa neste planeta. Mas uma ameaça ainda maior é a inação. Não fazer nada terá consequências catastróficas.

Em vez disso, tomar medidas com soluções inovadoras e sustentáveis irá combater a ameaça e criar um futuro melhor, mais limpo e seguro para todos nós. O potencial que temos não pode ser exagerado. Juntos podemos alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Podemos superar os perigos das mudanças climáticas. Mas será necessário que todos estejamos juntos.

Nikolaj Coster-Waldau é ator, produtor e roteirista nascido na Dinamarca, mais conhecido por ter interpretado o personagem Jamie Lannister na adaptação de Game of Thrones, da HBO. Coster-Waldau também atua como Embaixador da Boa Vontade do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, função que defende em nome de questões humanitárias. Ele está particularmente interessado em questões relacionadas com as mudanças climáticas.

Fonte: National Geographic Brasil

Esta entrada foi escrita emClipping e tags , , ,