Ministério atualiza áreas prioritárias na Zona Costeira

O mapa das áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Zona Costeira e Marinha do Brasil está passando pela segunda atualização desde 2004. Nesta quinta e sexta-feira (30/11 e 01/12), especialistas de diversos órgãos estão reunidos no Ministério do Meio Ambiente, em Brasília, para definir as novas prioridades. O estudo conta com o apoio da Conservação Internacional (CI) em parceria com o WWF-Brasil e recursos do Projeto GEF-Mar.

“Os especialistas dos setores produtivos estão definindo os custos de conservação, que vão se sobrepor às camadas de alvos e metas, definidas anteriormente, e depois de uso sustentável e conservação”, explicou a analista ambiental Luciana Valadares. As informações serão cruzadas por um software que irá identificar áreas prioritárias no mapa para ações de conservação. O mapa final será validado por todos os setores ao final do estudo, em 2018.

Durante os dois dias, os especialistas dividiram-se em quatro grupos para levantar e debater os pontos de atualização do mapa. Recursos minerais e energia; atividades em terra; pesca e aquicultura; e transporte e infraestrutura foram os setores produtivos em pauta. Participaram, no total, 75 pessoas.

O primeiro mapa de áreas prioritárias saiu em 2004, para todos os biomas brasileiros – Caatinga, Cerrado, Pantanal, Pampa, Mata Atlântica, Amazônia e Zonas Costeiras e Marinhas. Em 2007, teve a primeira atualização e agora, em 2017, a segunda atualização. No começo desta semana (27 e 28/11), aconteceu a oficina de atualização para o bioma Amazônia.

Fonte: MMA

Esta entrada foi escrita emClipping e tags , ,