Campanha alerta sobre consumo de peixes

A pesca exagerada e, muitas vezes, predatória coloca em risco diversas espécies de peixes e crustáceos do litoral brasileiro. Além da ameça de extinção de alguns animais marinhos, a prática de forma acentuada provoca ainda o desequilíbrio dos oceanos. E uma das formas de reverter esse problema é conscientizando o consumidor final, que leva o peixe para mesa. Até o próximo domingo, quem for ao AquaRio será orientado sobre quais espécies devem evitar o consumo e quais podem ser consumidas de forma controlada e liberada.

A Campanha Nacional de Consumo Responsável dos Recursos Pesqueiros, lançada em parceria com a Biomar (UFRJ) e o BioTecPesca, um dos principais laboratórios da Biologia Marinha da universidade, identifica os animais com risco de extinção pelas cores vermelha, amarela e verde. Os tanques do AquaRio estarão com essas sinalizações em painéis para facilitar o entendimento. Um dos peixes da categoria vermelha, classificado como ‘não coma ou evite’, é o cherne. Cuidado também com o famoso filé de viola, comercializado até como filé de cação-anjo. As duas espécies estão seriamente ameaçadas. No AquaRio terá ainda palestras sobre o tema e atividades educativas.

“Se continuarmos nesse ritmo, em poucas décadas diversas espécies de peixes e crustáceos terão desaparecido da costa brasileira. É nosso dever e responsabilidade, como equipamento focado em educação, pesquisa e conservação, informar a população sobre a necessidade de tomar uma atitude correta em favor da natureza”, destacou o biólogo e diretor presidente do AquaRio, Marcelo Szpilman.

Mais de 90% dos peixes que estão no AquaRio são recursos pesqueiros da costa brasileira. Vários estudos realizados pela instituição ajudarão a devolver aos oceanos espécies que estão em risco de extinção. Um desses casos é o do tubarão Mangona (Carcharias taurus). No fim do ano passado, dois machos da espécie vieram de fora do país para tentar a reprodução em cativeiro com uma antiga moradora do AquaRio, a Margarida, uma fêmea vinda do Aquário de Ubatuba. A empreitada é inédita. A reprodução desses animais é uma vez a cada dois anos e, quando o casal der filhotes, eles ficarão sob os cuidados dos profissionais do AquaRio.

Outro cruzamento já realizado por lá foi de raias, também na categoria vermelha, em risco de extinção. Três animais foram reproduzidos. Em breve será realizada a reprodução da garoupa-verdadeira e do badejo-quadrado.

Categorias

- Vermelho

Não coma ou evite: Atum -azul, budiões, cação-anjo, cações, chernes, mero, raias e raia-viola.

- Amarelo

Consumo moderado, de até uma vez por semana: Anchova, atuns (albacoras), badejos, bagre-estuarino, bijupirá, camarão-branco, camarão-rosa, camarão-sete-barbas, caranha, cioba, corvina, dourado, garoupas, lagosta, linguado, merluza, namorado, parati, pargo-rosa, peixe-sapo, peruá, pescadas, peixe-batata, robalo, sardinha-verdadeira, tainha e vermelho-caranho.

- Verde

Consumo liberado: Abrótea, agulhinha, albacorinha, baúna, betara, bicuda, bonito, cabrinha, carapeba, castanha, cavala, cavalinha, cocoroca, congro, enchova, guaiuba, guarajuba, lula, manjuba, maria-luiza, mexilhão, michole, olhete, olho-de-boi, olho-de-cão, ostra, pampo, peixe-espada, pescadinha, sardinha boca-torta, sardinha-bandeira, sardinha-cascuda, savelha, siri, sororoca, tira-vira, trilha, vieira, xaréu, xerelete e xixarro.

Estande explica detalhes sobre corais e biodiversidade

Para sensibilizar e despertar o conhecimento dos visitantes sobre a bioinvasão marinha e conservação da biodiversidade, o estande do Instituto Brasileiro de Biodiversidade (BrBio), no terceiro andar do AquaRio, divulga informações sobre os ambientes coralíneos com os projetos Ecorais e Coral-Sol.

“A proposta do nosso estande no AquaRio é mostrar quem são os corais, sua importância e as ameaças que vêm sofrendo. Além disso, mostramos um pouco do trabalho realizado por nossa equipe, a partir de projetos que incluem ações integradas de pesquisa, monitoramento, educação ambiental, além de subsídios a políticas públicas, fundamentais na busca de uma efetiva conservação marinha”, explicou Simone Oigman-Pszczol, diretora executiva do BrBio.

O AquaRio fica na Gamboa e funciona diariamente, das 10h às 18h.

CATEGORIAS

VERMELHO

Não coma ou evite: Atum-azul, budiões, cação-anjo, cações, chernes, mero, raias e raia-viola.

AMARELO

Consumo moderado, de até uma vez por semana: Anchova, atuns (albacoras), badejos, bagre-estuarino, bijupirá, camarão-branco, camarão-rosa, camarão-sete-barbas, caranha, cioba, corvina, dourado, garoupas, lagosta, linguado, merluza, namorado, parati, pargo-rosa, peixe-sapo, peruá, pescadas, peixe-batata, robalo, sardinha-verdadeira, tainha e vermelho-caranho.

VERDE

Consumo liberado: Abrótea, agulhinha, albacorinha, baúna, betara, bicuda, bonito, cabrinha, carapeba, castanha, cavala, cavalinha, cocoroca, congro, enchova, guaiuba, guarajuba, lula, manjuba, maria-luiza, mexilhão, michole, olhete, olho-de-boi, olho-de-cão, ostra, pampo, peixe-espada, pescadinha, sardinha-boca-torta, sardinha-bandeira, sardinha-cascuda, savelha, siri, sororoca, tira-vira, trilha, vieira, xaréu, xerelete e xixarro.

Estande explica detalhes sobre corais e biodiversidade

Para sensibilizar e despertar o conhecimento dos visitantes sobre a bioinvasão marinha e conservação da biodiversidade, o estande do Instituto Brasileiro de Biodiversidade (BrBio), no terceiro andar do AquaRio, divulga informações sobre os ambientes coralíneos com os projetos Ecorais e Coral-Sol.

“A proposta do nosso estande no AquaRio é mostrar quem são os corais, sua importância e as ameaças que vêm sofrendo. Além disso, mostramos um pouco do trabalho realizado por nossa equipe, a partir de projetos que incluem ações integradas de pesquisa, monitoramento, educação ambiental, além de subsídios a políticas públicas, fundamentais na busca de uma efetiva conservação marinha”, explicou Simone Oigman-Pszczol, diretora executiva do BrBio.

Fonte: O Dia

Esta entrada foi escrita emClipping e tags , ,