Indígenas apresentam plano ambiental

Lideranças da tribo Tenetehára se reuniram nessa quinta-feira (26), em Brasília, com técnicos do Ministério do Meio Ambiente (MMA) para apresentar o Plano de Gestão Territorial e Ambiental para a terra indígena Caru, no Maranhão. O etnomapeamento da área demarcada de 172 mil hectares no município de Bom Jardim, habitada pela etnia, é resultado de chamada pública realizada em 2016 com recursos do Ministério do Meio Ambiente.

O trabalho realizado pela Associação Wirazul, composta por membros da tribo, é um instrumento de gestão ambiental e territorial, onde os próprios indígenas definem o uso dos recursos naturais e as medidas de conservação ambiental. Para Rodrigo Lima Medeiros, da coordenação de Agroextrativismo do Ministério, o Plano de Gestão contribui para melhoria da qualidade de vida dos povos indígenas. “São regras de convivência entre eles e sua relação com o território”, explica.

A Terra Indígena Caru é próxima da Reserva Biológica Gurupi, extensa área do bioma Amazônia.  É prioridade, estabelecida pelo MMA, que a região onde está situada seja transformada em um mosaico de áreas protegidas. Entendimentos nesse sentido vêm sendo mantidos pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) junto às comunidades da região.  Além delas, fariam parte do arranjo, as terras indígenas Awa e Alto Turiassu. O projeto contempla a conservação da vegetação nativa do bioma e várias espécies da fauna e da flora, algumas em risco de extinção.

POLÍTICA NACIONAL

A chamada pública, realizada no âmbito da Política Nacional de Gestão da Terras Indígenas (PNGATI), contemplou ainda quatro outros projetos, que estão em fase de conclusão. O objetivo fundamental da política, instituída pelo governo federal, é estimular os povos indígenas a protagonizarem a gestão do próprio território.  Para a conservação do meio ambiente, os indígenas são considerados parceiros estratégicos. Por viverem na terra e compartilharem suas tradições, eles acabam atuando como agentes ambientais. “Protegem a terra contra a invasão de madeireiros, garimpeiros e caçadores e ajudam a combater o desmatamento ilegal”, conclui Rodrigo Medeiros.

Fonte: MMA

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,