Os primeiros cães das Américas que desapareceram com a chegada dos europeus

Sítio de escavação no Illinois, EUA
Direito de imagemILLINOIS STATE ARCHAEOLOGICAL SURVEY
Primeiros cães vieram para as Américas apenas por volta de 10 mil anos atrás, segundo achados arqueológicos

A relação de amizade e dependência entre cães e homens remonta a pré-história, em que a aproximação de um animal que buscava restos de comida era interessante, pois podia significar proteção.

Portanto, é natural que, com a chegada dos primeiros seres humanos à América, provavelmente há pelo menos 16 mil anos atrás, os cães também viessem para o continente.

Mas registros paleontológicos mostram que os primeiros cães a pisar em solo americano vieram apenas por volta de 10 mil anos atrás.

Com base em informações genéticas de 71 restos de ossadas de cães da América do Norte e da Sibéria, uma equipe internacional de cientistas, liderados por pesquisadores da Universidade de Oxford, Universidade de Cambridge, Universidade Queen Mary de Londres e Universidade de Durham, concluiu que o cão “nativo” – ou pelo menos o cão que existia nas Américas antes do contato com o europeu, que veio após a “descoberta” do continente no final do século 15 – tinha um genoma completamente diferente dos lobos norte-americanos ou mesmo de outras linhagens de canídeos.

A pesquisa, publicada pela revista Science desta quinta-feira, mostra ainda que o DNA desse ancestral praticamente desapareceu, quando comparado com espécies contemporâneas.

Acredita-se que os europeus tenham trazido suas raças de cães e, ao menosprezar o cão local, acabaram por fazer com que a reprodução fosse evitada ou até mesmo combatida.

Sítio de escavação no Illinois, EUA

Direito de imagemILLINOIS STATE ARCHAEOLOGICAL SURVEY
Os cães ancestrais americanos podem ter sido extintos por pestes trazidas por europeus com seus cachorros

Sim, o cão americano original era um herói, de uma linhagem que provavelmente cruzou o Estreito de Bering ao fim da era glacial e espalhou-se por toda a América, do Norte ao Sul. Mas, para o europeu colonizador, foi tido com um reles vira-lata sem valor – e tal juízo decretou sua extinção.

Uma outra hipótese é que tais cães ancestrais tenham sucumbido a pestes trazidas a solo americano pelo europeu – e seus cachorros. Assim como muitos índios morreram por doenças desconhecidas de seu sistema imunológico, fenômeno parecido pode ter ocorrido no mundo animal.

“Fato é que estudos de DNA sugerem que a população de cães americanos anterior à chegada dos europeus foi ampla e rapidamente substituída”, afirma a pesquisadora Máire Ní Leathlobhair, do departamento de Medicina Veterinária da Universidade de Cambridge.

“Dados obtidos por análise genética mostram que os cães contemporâneos são de um grupo filogenético diferente dos cães anteriores ao contato com os europeus.”

Ní Leathlobhair e sua equipe compararam os genomas dos 71 cães ancestrais com o material genético de 45 raças diferentes de cães contemporâneos.

Máire Ní Leathlobhair

Direito de imagemL. BRIAN STAUFFER
Segundo pesquisadora, cão das Américas era de um filo originário do Ártico

Genética

Os pesquisadores concluíram que esse cão pioneiro das Américas era de um filo único originário do Ártico. Tal animal acompanhou diversas migrações humanas pela Ásia, sobretudo na Sibéria, até conseguir chegar ao continente americano.

A primeira vez que paleontólogos encontraram vestígios desses cães ancestrais foi ainda nos anos 1930. Desde então, se acredita que as primeiras levas migratórias desse animal tenham ocorrido há cerca de 10 mil anos.

A novidade do estudo publicado nesta semana, portanto, é o fato de que as ossadas foram analisadas geneticamente. E esse material foi comparado com os dos cães contemporâneos.

Aí, além da surpresa de que praticamente nada deles restou nos cachorros atuais, veio ainda outra descoberta: um câncer conhecido há centenas de anos e que ainda hoje afeta populações caninas em todo o mundo pode ser o elo perdido a conectar os animais de hoje com esses cachorros ancestrais.

Trata-se do tumor venéreo canino transmissível. É uma neoplasia exclusiva dos cães, o mais comum tumor genital entre esses animais – ocorre mais frequentemente em zonas de clima temperado, mas está presente em todos os continentes.

“Este câncer, contagioso, se manifesta com tumores genitais. E se espalha entre os cães por transferência de células cancerígenas vivas, geralmente durante a cópula”, explica a veterinária Ní Leathlobhair.

Essa doença foi documentada por veterinários há centenas de anos, mas, de acordo com o estudo publicado hoje, pode ter surgido, na realidade, há muito mais tempo.

Sítio de escavação no Illinois, EUA

Direito de imagemDEL BASTON | CENTER FOR AMERICAN ARCHEOLOGY
Alguns cientistas acreditam que lobos norte-americanos podem ter cruzado com cães ancestrais

Mais precisamente há 8,2 mil anos. O levantamento genético concluiu que a doença não surgiu em solo americano. Veio de uma matriz comum, ou seja, o ancestral asiático siberiano que deu origem ao cão nativo americano.

Mas a julgar pelas análises efetuadas nas ossadas, originou-se justamente no lado que “ficou” na Ásia e, de lá, se espalhou por todo o mundo, inclusive para a Europa.

Quando chegaram à América, os cães europeus traziam uma doença que os cães americanos já tinham – pois ambos a “receberam” de um antepassado comum.

Legado

Contudo, mesmo que o cão americano ancestral tenha sido extinto, algo dele sobrou? Não há um consenso entre os cientistas, mas muitos acreditam que certos tons de pelo dos lobos norte-americanos sejam resultado do cruzamento, em tempos remotos, com esses canídeos.

“Além disso, alguns estudos anteriores sugeriam que algumas populações modernas de cães americanos possuem uma carga genética de cães ancestrais”, relata Ní Leathlobhair.

“Para testar essa hipótese, resolvemos realizar exames em mais de 5 mil cães modernos – incluindo exemplares de aldeias americanas. Encontramos de 7 a 20% de ancestralidade desses animais pré-colombianos.”

Fonte: BBC

Esta entrada foi escrita emClipping e tags , ,