EXCLUSIVO: Atriz Íris Bruzzi decepciona protetores de animais, ao dizer que “adora um casaco de vison”

Mônica Pinto / AmbienteBrasil

O sucesso das duas ex-vedetes Mary Montilla e Guida Guevara, na novela Belíssima, já rendeu a suas intérpretes – Carmen Verônica e Íris Bruzzi respectivamente – a extensão da boa fase ao teatro. As duas atrizes estrearam recentemente, no Rio de Janeiro, a comédia Amigas para Sempre.

Foi em uma entrevista ao jornal carioca O Dia, enfocando o novo trabalho, que Íris Bruzzi chamou para si a reprovação dos defensores de animais. Ela se referia a sua personagem na peça e explicou: “Ana é diferente da Guida, é ecológica. Já eu adoro um casaco de vison. Não estou nem aí se mataram o bichinho”. (Para ler a matéria completa, clique aqui).

A ONG Projeto Esperança Animal – PEA – reagiu imediatamente. Está fazendo circular um e-mail onde se vê, ao centro, uma foto de Íris Bruzzi – sem a simpatia de sua “Guida” -, circundada por imagens de animais despedaçados ou agonizantes, em visível sofrimento.

A mensagem traz ainda a quantidade de animais de cada espécie mortos para se confeccionar um casaco de tamanho médio – veja em protesto iris.

Gostar de casacos de peles não é crime; tampouco sua indústria e comércio são ilegais. Mas a frase de Íris Bruzzi e a reação a ela merecem ao menos um debate sobre o papel que pessoas famosas podem representar na defesa de valores embasados no respeito à vida – do qual depende toda a eficiência da educação ambiental.

“Sempre que uma pessoa pública aparece glamourizando um produto que causou a morte de um animal ou incentivando alguma prática cruel aos animais, de início, temos a sensação de que nosso trabalho em prol da conscientização está sendo prejudicado”, diz Gabriela Toledo, fundadora e diretora do Projeto Esperança Animal.

Mas, segundo ela, o retorno obtido em relação ao caso desfez tal impressão. “Temos recebido inúmeras mensagens lamentando a atitude da TV em geral que, no lugar de mostrar talento e cultura, tenta chamar a atenção de forma irresponsável”, diz Gabriela, para quem “essas pessoas públicas acabam por prejudicar suas próprias imagens incentivando a crueldade”.

Aí cabe a reflexão se os famosos, quando incapazes de disseminar mensagens positivas, não deveriam ao menos lembrar-se de suas responsabilidades com o público, abstendo-se de emitir opiniões no mínimo inúteis. “Os animais não são propriedade do país, os animais são de responsabilidade do país”, defende Gabriela Toledo. “Esse novo conceito se aplica ao meio ambiente como um todo – fauna, flora e meio urbano – e pode ser considerado como um dos principais pilares nessa busca da consciência de preservação”.

O PEA, assim como outras entidades de natureza semelhante, prega que chique mesmo é usar materiais sintéticos. “Você passa a mensagem de se preocupar com os animais e com o planeta, sem abrir mão de estar na moda”, diz Gabriela. “Ao contrário da pele de origem animal, que definitivamente é fruto de uma indústria fútil, cruel e injustificável”.

AmbienteBrasil tentou entrar em contato com a atriz Íris Bruzzi através da Rede Globo, mas não obteve sucesso.

Foto de animal abatido retirada do site do PEA