ECOLUNA – Sociedade Civil contribui para Política Nacional de Mudanças Climáticas

Amanhã, o coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Sarney Filho; o coordenador do Grupo de Trabalho de Clima, deputado Rocha Loures (PMDB-PR); Paulo Moutinho, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia e Observatório do Clima, e Rachel Biderman, do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas, serão anfitriões no café da manhã para discutir as contribuições da Sociedade Civil à Política Nacional de Mudanças Climáticas.

O evento será das 8h às 10h, no Restaurante Pampas, no 10º. Andar do Anexo IV da Câmara dos Deputados. Para se inscrever, clique aqui.

Concursos

O ministro Carlos Minc vem falando da realização de dois concursos públicos programados – se tudo correr bem – para o início de 2009. Um deles, visando a contratação de dois mil servidores para o Ibama e o Instituto Chico Mendes, para a área de fiscalização, e o outro, selecionando mil servidores para a Polícia Florestal.

Serra do Mar

Nesta quinta-feira, às 20h, a Fundação SOS Mata Atlântica recebe Adriana Mattoso, gerente de Unidades de Conservação da Fundação Florestal (Secretaria Estadual de Meio Ambiente de São Paulo), que fará a palestra tendo como tema o Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar.

O evento será na sede da Fundação SOS Mata Atlântica, à Rua Manoel da Nóbrega, 456, Paraíso, São Paulo. Para participar, não é necessário se inscrever antecipadamente, basta comparecer ao local. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3055-7888 ou pelo email agenda@sosma.org.br

Racismo, não

Para fortalecer o apoio à gestão participativa e inclusiva das atividades de sustentabilidade hídrica, socioambiental e a promoção da igualdade étnico-racial e de gênero, o Instituto de Gestão das Águas e Clima (INGÁ), órgão da Secretaria do Meio Ambiente do Governo da Bahia, e a Secretaria de Promoção da Igualdade (Sepromi) assinaram um termo de cooperação técnica.

O convênio entre as duas instituições faz parte das ações do Novembro Negro e tem como foco especial o envolvimento dos povos e comunidades tradicionais, como quilombolas, marisqueiras, pescadores e povo-de-santo no uso sustentável das águas e no combate ao racismo institucional e ambiental.

Esta entrada foi escrita emExclusivas