EXCLUSIVO: Quase 9 mil metros de redes malhadeiras foram apreendidos no Tocantins


Danielle Jordan / AmbienteBrasil

A apreensão aconteceu durante a Operação Carnaval Ambiental, realizada em conjunto pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), a Companhia Independente de Polícia Militar Ambiental (Cipama), Guarda Metropolitana de Palmas, Delegacia Estadual de Meio Ambiente, Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal.

A fiscalização de rios e lagos foi priorizada o que resultou em 8.754 metros de redes malhadeiras apreendidas nas áreas de abrangência das Unidades Regionais do Naturatins de Palmas, Araguaína, Pedro Afonso, Alvorada, Araguatins, Paraíso do Tocantins, Lagoa da Confusão, Arapoema, Tocantinópolis, Gurupi e Goiatins. Foram recolhidos ainda 89 quilos de peixes que foram doados a famílias carentes dos municípios onde foram apreendidos.

De acordo com informações do governo do Tocantins, quatro tarrafas, cinco caminhões carregados com quase 150 m³ de madeiras diversas, 15 linhas de mão, dois caniços, 14 animais silvestres (cinco tatus abatidos e nove pássaros vivos) e 10 gaiolas para transporte de aves também foram apreendidos. As multas emitidas chegam a quase R$ 43 mil reais.

A grande quatidade de materiais predatórios recolhidos ajudou a reduzir o número de pesacado apreendido em relação ao ano passado, na avaliação do diretor de Fiscalização do Naturatins, Laureno Justiniano Tebas. Em 2008, o pescado apreendido neste período chegou a 217 quilos. A fiscalização é intensa e continua mesmo após o término da Piracema, perído de reprodução dos peixes, previsto para o último dia deste mês.

A pesca de subsistência é a única modalidade liberada na Piracema, e os únicos instumentos permitidos são caniço simples, molinte, linha de mão e anzol. Quem não cumprir a determinação está sujeito à multas que varias de R$700,00 a R$ 100 mil, além de mais R$20,00 por quilo de peixe pescado.

* Com informações da Secom Tocantins