EXCLUSIVO: Estudo identifica efeitos da poluição no Parque do Ibirapuera, em São Paulo

Um levantamento realizado no Parque Ibirapuera, localizado na região central da cidade de São Paulo, identificou a presença de 51 famílias e 336 espécies diferentes de árvores.

O estudo, da engenheira agrônoma agrônoma, Tiana Carla Lopes Moreira, do Programa de Pós Graduação em Recursos Florestais, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, USP/ESALQ, avaliou a interação da floresta urbana com a poluição atmosférica.

Entre fevereiro e março de 2009 foram coletadas folhas de paineiras, jacarandá mimoso e ipê roxo. “As espécies encontradas no Ibirapuera permitem a compreensão do comportamento delas no contexto urbano com forte influência da poluição atmosférica”, explicou a pesquisadora.

Os elementos presentes nas árvores foram determinados por meio da técnica de fluorescência de raio X. Foram identificados os elementos provenientes das emissões veiculares, para que se fizesse uma relação com a interação dessas substâncias com a vegetação. “Buscamos verificar se existiam diferenças na retenção de poluentes de espécies arbóreas comuns na cidade de São Paulo e se é possível utilizar folhas de árvores para o bioacumuladores de poluentes atmosférico”, afirmou.

Uma das conclusões estudo é que a vegetação pode atuar como filtro, amenizando os efeitos da população. Mas, para que o efeito protetor seja mensurado, seria necessário avaliar, também, a densidade da vegetação.

Segundo o estudo, nas regiões mais próximas das bordas do parque o ferro, o cromo e cobre aparecem mais.

*Com informações da ESALQ/USP.