Lixo tóxico vira combustível, removedor de mancha, tinta de porta e cimento

O químico Flávio Bragante, 48, sempre trabalhou na área de meio ambiente. Ao observar a dificuldade que as empresas têm para fazer o descarte correto de lixo tóxico, resolveu investir na área. Em março de 2011, criou a Faex Soluções Ambientais, em São Roque (66 km a oeste de São Paulo) e, no ano passado, faturou R$ 620 mil.

O material coletado pode ser transformado em combustível alternativo, removedor de mancha, de graxa ou de cola, tinta para pintar superfícies de metal, como portões e portas, e cimento.

Tinta, iodo, óleos e embalagens (plástico, papelão, panos etc.) contaminados são alguns dos produtos que ele recolhe e recicla. Entre os elementos, também estão:

- Resinas contaminadas e provenientes de limpeza de equipamentos
- Cinzas de caldeiras e fornos industriais
Sais provenientes de tratamento térmico de metais (com ou sem cianeto)
- Resíduos de varrição de fábrica (pó de material metálico, de resinas, de tintas, serragem etc.)
- Resíduos de laboratório (matéria-prima, soluções, reagentes vencidos e/ou contaminados, vidros, embalagens, filtros, materiais não patogênicos etc.)

Segundo Bragante, das empresas que reciclam lixo tóxico, a maioria atende as companhias que produzem grande quantidade -acima de 7,2 toneladas por ano- de resíduos. Por isso, ele resolveu trabalhar com empresas que descartam pouco lixo, mas que também precisam fazer isso de forma sustentável.

“Algumas empresas produzem 200 kg de resíduos por mês, outras 600 kg por ano ou até toneladas. Todas devem fazer o descarte correto do material, mas não tinham muita alternativa. Por já ter trabalhado em empresas que sofriam desse mal, resolvi abrir um negócio para atendê-las e deu certo.”

O empresário cobra de R$ 450 (para o descarte de um tambor de 200 litros com resíduos tóxicos) a R$ 1.000 (para um tambor de 50 litros com resíduos laboratoriais como ácidos, materiais alcalinos e sais). Os valores incluem retirada e transporte dos materiais.

A empresa não tem licença para receber resíduos hospitalares, radioativos, agrotóxicos e de serviços de saúde. Seu clientes são empresas da indústria farmacêutica, mecânica, química, entre outras. “O material não precisa ser retirado toda semana. Quando o cliente encher o tambor, ele liga e retiramos.”

Material é usado para fabricar cimento – O químico diz que o material que pode ser reutilizado, é desinfetado e reciclado. É o caso da lâmpada fluorescente. O metal e o vidro são reaproveitados depois de ser retirado o pó contaminado. Eles são derretidos e podem ser transformados em diversos produtos, segundo o empresário.

Outro exemplo é o solvente, que é destilado e utilizado em funções menos nobres, como a produção de tinta de segunda linha para pintar metais (portões e portas, por exemplo) ou material de limpeza (removedor de mancha, de graxa, de cola etc.).

O material que não pode ser reciclado, é triturado, queimado e vira cimento. “Ele é queimado junto com argila, calcário e areia e vira cimento. O pó já sai do forno pronto para empacotar.” A fábrica de cimento é licenciada para executar o processamento, segundo Bragante.

O empresário diz que parte do material triturado também é utilizada como combustível pelos fornos. “São necessárias 10 toneladas de carvão para acendê-los. Nós usamos três toneladas do combustível alternativo e sete de carvão coque, diminuindo a quantidade do mineral, e o impacto no meio ambiente.”

Bragante não lucra com o material utilizado para produzir cimento e combustível. “Eu pago para a empresa queimar e reaproveitar o material para fazer o cimento. Meu lucro vem na coleta do material em outras empresas.” O valor não foi revelado.

Lixo fica armazenado em galpão – Todo o lixo recolhido dos clientes fica armazenado no galpão da Faex Soluções Ambientais. Ele é distribuído em tambores de aço e em sacos homologados pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), até atingir a quantidade de 15 a 20 toneladas e poder ser queimado.

Para iniciar o negócio, ele investiu R$ 120 mil. A maior dificuldade, segundo o empresário, foi conseguir as licenças para iniciar a operação. “Demorou três anos para termos autorização.” Atualmente a empresa tem 70 clientes ativos e espera aumentar o faturamento em 20% até o fim do ano.

Setor está em expansão – Para Dòrli Terezinha Martins, consultora do Sebrae-SP, a Lei de Resíduos Sólidos, que exige que as empresas deem um destino sustentável ao lixo produzido por elas, vem abrindo oportunidades de negócio. “Faltam empresas especializadas na coleta, desintoxicação e encaminhamento correto do lixo.”

Martins afirma, no entanto, que o tema é novo e falta uma conscientização maior da sociedade. “Ainda há empresas que, por falta de conhecimento ou por não encontrarem uma forma correta de descartar seus resíduos, enviam o lixo para aterros sanitários. Isso afeta o meio ambiente e gera multas altíssimas.” (Fonte: UOL)

Esta entrada foi escrita emClipping e tags ,
Ambientebrasil - Notícias located at 511/67 Huynh Van Banh , Ho Chi Minh, VN . Reviewed by 43 customers rated: 4 / 5